30 mil protestam em SP contra governo interino de Temer

Movimentos sociais da Frente Povo Sem Medo disseram não reconhecer como legítimo o governo do presidente interino Michel Temer

Em manifestação no vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp) desde o fim da tarde de hoje (12), movimentos sociais da Frente Povo Sem Medo disseram não reconhecer como legítimo o governo do presidente interino Michel Temer e prometeram intensificar a mobilização nas ruas do país.

O coordenador do movimento, Guilherme Boulos, disse que a ação não é em defesa da presidente afastada Dilma Rousseff, mas da democracia e dos direitos sociais.

“Não estivemos na rua defendendo a Dilma, estivemos nas ruas defendendo a democracia contra o golpe e defendendo direitos sociais. Permanecemos mais do que nunca agora nas ruas, porque o que hoje se estabeleceu no país é algo muito grave. A partir do dia de hoje, temos um presidente ilegítimo na cadeira da Presidência da República”, disse. “Não reconhecemos a legitimidade de um governo que não seja um governo eleito”, completou.

Os manifestantes pretendem percorrer em passeata a Avenida Paulista até a sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e, depois seguir até o escritório na Presidência da República em São Paulo, também na Paulista.

“Aqueles que acham que o ato do Senado, consumado na manhã de hoje, vai pacificar o país – eu não sei se alguém ainda acredita nessa fábula – se alguém acredita nisso, vai ter a resposta nas ruas. Isso, seguramente, vai intensificar as mobilizações pelo país”, destacou Boulos.

Equipe ministerial

O coordenador da frente, que reúne mais de 30 movimentos nacionais, criticou a política social e econômica do governo Temer. Segundo Boulos, o ministério do presidente interino é formado por “corruptos notáveis” e deverá servir à retirada de direitos sociais. “Disseram que iria ser um ministério de notáveis, o que nós estamos vendo é que é um ministério de corruptos notáveis”, disse.

“É um retrocesso democrático, uma ferida na democracia brasileira quando se dá um golpe como esse, um golpe institucional. Ainda há iminência de retrocessos maiores quando se tenta aplicar um programa desastroso, de terra arrasada, de regressão social que ataca direitos sociais, que busca atacar programas sociais. Não vamos admitir isso”, acrescentou.

Críticas à Fiesp

Por volta das 19 horas, os manifestantes, que chegavam a 30 mil, segundo os organizadores, concentraram-se perto da sede da Fiesp. Um cordão de policiais impediu, no entanto, que o grupo alcançasse a frente do prédio. Membros dos movimentos sociais gritaram palavras de ordem, como “Fora Temer” e “A verdade é dura, a Fiesp apoiou a ditadura, e ainda apoia”. Um pato de papel foi queimado, em referência ao símbolo utilizado pela federação em campanha contra impostos.

Mais cedo, em discurso feito no microfone do carro de som, o coordenador da Frente Sem Medo, Guilherme Boulos, fez duras críticas à federação. Boulos ressaltou que a Fiesp apoiou o “golpe” e articula-se para que o povo mais pobre agora fique com o prejuízo da crise, “pague o pato”. “Hoje estamos tranquilos. Mas vai chegar o dia em que vamos tomar aquele prédio e tirar o Skaf [Paulo Skaf, presidente da federação] pelo colarinho”, disse.

Boulos ainda voltou a fazer críticas a retirada de direitos sociais, e destacou que se isso ocorrer, o movimento social irá reagir. “Se mexerem nos recursos dos programas sociais, esse país vai pegar fogo. Essa é a receita para virar o país”, disse.

Às 19h40, os manifestantes ocupavam todas as oito faixas de cerca de dois quarteirões da Avenida Paulista e seguiam em passeata até ao escritório da Presidência da República.

“Trancaço”

Por volta das 20h30, os manifestantes realizaram um “trancaço” no escritório da Presidência da República, no cruzamento da Paulista com a Rua Augusta. O portão de acesso ao prédio, onde também funciona parte da administração do Banco do Brasil, foi acorrentado e fechado com um cadeado. Segundo Boulos, a ação foi um “ato simbólico de alerta” ao presidente interino.

“Michel Temer que passar a figura de pacificador do país. Nós tomaremos as ruas para dizer que não haverá paz para a casa grande, não aceitaremos um presidente ilegítimo, fruto de um golpe. Não aceitaremos uma ponte para o passado que pretende retirar direitos trabalhistas, ampliar a privatização e reduzir programas sociais”, diz trecho de um manifesto lido durante o protesto.

Os manifestantes picharam “golpe” e “fora Temer” na porta do prédio. Cartazes com os dizeres “República do golpe” com o rosto de Michel Temer foram colados no local.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s