“Petrobras é alvo de cobiça permanente”, diz Chico Buarque

Chico referia-se ao projeto do senador José Serra (PSDB-SP) que prevê mudanças no marco regulatório do pré-sal

Rio de Janeiro – Petista histórico e com voz marcante também em questões políticas do país, o cantor e compositor Chico Buarque de Hollanda atuou, na última segunda-feira, 14, como “garoto-propaganda” da Federação Única dos Petroleiros (FUP), que lidera uma campanha contra a venda de ativos da Petrobras.

O pretexto do encontro com sindicalistas foi uma partida de futebol, que acabou empatada em 7 a 7.

Ao fim, Chico gravou um vídeo para os petroleiros e mandou o seu recado: “Há uma cobiça permanente em torno da Petrobras”, afirmou no vídeo, referindo-se ao projeto do senador José Serra (PSDB-SP) que prevê mudanças no marco regulatório do pré-sal.

O Projeto de Lei 131, de Serra, retira da estatal a obrigatoriedade de participação e investimento em todos os blocos do pré-sal, que poderiam ser concedidos integralmente à iniciativa privada.

Pela atual legislação, a companhia é obrigada a participar com 30% de todos os consórcios de blocos do pré-sal, além de ser operadora única de todas as áreas. O PL está em tramitação no Senado.

“O petróleo é nosso. Esse é um velho lema que deve ser mantido e lembrado sempre, porque há uma cobiça permanente em torno da Petrobras e, agora, com essa história toda em torno do pré-sal e de conquistas nossas, dos nossos governos desde os tempos de Getúlio, que volta e meia são ameaçadas por esse tipo de investida”, disse o compositor, em resposta ao diretor do Movimentos dos Trabalhadores Sem Terra (MST) João Pedro Stédile, que fez papel de repórter na gravação.

Sobre as intenções do parlamentar tucano para o pré-sal, o cantor disse não acreditar “que passe um projeto desse no Senado” e também que não acha possível que “a sociedade vá aceitar se desfazer da Petrobras, do pré-sal e tudo mais”.

Futebol

Chico recebeu os sindicalistas para uma partida de futebol contra seu time amador, o Politeama, em um campo de futebol no bairro do Recreio dos Bandeirantes, no Rio, ao lado dos músicos Carlinhos Vergueiro e Chico Batera, esse último emprestado ao time dos sindicalistas.

Há 25 anos não se repetia uma partida como essa, entre o Politeama e integrantes do MST.

A última havia sido em 1990, no auge das invasões de fazendas pelo movimento, em defesa da reforma agrária. Na época, o Politeama venceu o time do MST.

Depois de gravar um vídeo no qual protestou contra a crise na Petrobras e o PL de Serra, Chico ainda autografou três DVDs de sua obra, a pedido de Stédile, que serão entregues a “três amigos da Venezuela”.

Um dos presenteados, segundo o ativista, seria o presidente do país vizinho, Nicolás Maduro.

O compositor foi presenteado com uma cesta de produtos do MST, com uma bandeira e um boné do movimento, além de livros e uma cachaça orgânica.

Chico também recebeu o emblemático uniforme dos funcionários da Petrobras, um macacão laranja com a bandeira do país. “Orgulho é meu de receber esse uniforme. Vou usá-lo por aí”, brincou, arrancando risadas dos petroleiros.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s