Acompanhe o desenrolar do processo de impeachment de Dilma

As notícias em tempo real sobre o pedido de afastamento da presidente Dilma Rousseff nesta quinta-feira (3)

São Paulo – O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB) promoveu hoje a leitura do pedido de impeachment e da Decisão da Presidência da Casa sobre o processo de cassação da presidente Dilma Rousseff. Esta é a medida oficial que deflagra o procedimento de deposição da mandante de acordo com o regimento interno.

A crise política brasileira ganhou um novo capítulo ontem (2) após o presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB) anunciar que aceitaria o pedido de impeachment dos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Jr. e Janaína Paschoal. A decisão veio logo após a bancada do PT na Comissão de Ética optar pelo prosseguimento do processo de cassação de Cunha, acusado de mentir na CPI da Petrobras sobre a posse de contas no exterior.

Na sessão que deu início aos trâmites oficiais, o deputado Beto Mansur (PRB) leu em voz alta as 68 páginas de argumentos do pedido contra a presidente ao longo de mais de três horas. Cunha veio em seguida, com o documento com o seu parecer sobre o caso e justificando o início do processo.

Na próxima semana será montada uma comissão composta por 66 deputados titulares indicados pelos líderes partidários. Dentre estes, serão eleitos o presidente e o relator do caso. Assim que notificada, Dilma terá 10 dias para formular sua defesa.

Entenda todo o processo aqui.

Ao longo das 24 horas que sucederam o primeiro anúncio, políticos da base aliada e oposição repercutiram os trâmites na Câmara. Logo após a fala de Cunha, Dilma fez um pronunciamento sobre o assunto e disse estar indignada com a decisão do presidente da Câmara.

“Não paira contra mim nenhuma suspeita de desvio de dinheiro público, não possuo conta no exterior”, disse em clara referência às suspeitas contra Eduardo Cunha.

Cunha devolveu, dizendo que lhe foi oferecido apoio no processo de cassação que o deputado enfrenta no Conselho de Ética em troca de articulação para aprovação da CPMF e, portanto, ela havia mentido em dizer que não houve barganha por parte do PT. O fato foi negado pelo ministro da Casa Civil, Jaques Wagner.

No fim do dia, o ex-presidente Lula chegou a classificar a ação de Cunha como “insanidade” e o ministro Edinho Silva disse que a base aliada está tranquila ao montar a defesa da presidente.

Os próximos passos já começam na segunda-feira (7), com nomeações dos líderes dos partidos para a Comissão Especial. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s