Após rumores, defesa de Cunha nega possibilidade de renúncia

Eduardo Cunha permaneceu em casa durante todo o período do cumprimento de mandados de busca e apreensão pela Polícia Federal

Brasília – Apesar de rumores que circularam durante toda a manhã desta terça-feira, 15, na Câmara dos Deputados, de que o presidente da Casa, Eduardo Cunha, renunciaria ao cargo, fontes ligadas à defesa do parlamentar, ouvidas pelo jornal O Estado de S.Paulo, negaram esta possibilidade.

Cunha permaneceu em casa durante todo o período do cumprimento de mandados de busca e apreensão pela Polícia Federal, hoje pela manhã.

Agora, depois de ter sido aprovado o parecer do relator da Conselho de Ética da Câmara pela continuidade do processo por quebra de decoro parlamentar contra ele, o presidente da Câmara recebe aliados em um almoço na residência oficial.

Já entraram na residência de Cunha o ex-deputado Sandro Mabel, que ainda atua como articulador político, apesar de não ter mais mandato; o líder do PHS, Marcelo Aro (MG); Domingos Neto (CE), líder do PMB, e Paulinho da Força (SP), presidente do Solidariedade.

Os almoços às terças-feiras são uma rotina desde que Cunha assumiu a presidência, mas foram se esvaziando à medida em que as denúncias contra o peemedebista foram ganhando força.

De acordo com a assessoria de Cunha, ele seguirá normalmente a agenda parlamentar prevista para esta tarde. E deve se manifestar, na Câmara, até o fim do dia sobre a operação da PF.

Governo

Integrantes do PMDB ligados ao vice-presidente Michel Temer atribuíram ao Palácio do Planalto a responsabilidade pela nova fase da Operação Lava Jato que cumpriu mandados de busca e apreensão em residências e escritórios de algumas das principais lideranças do partido nesta terça-feira.

Para peemedebistas ouvidos pelo Broadcast Político, serviço em tempo real da Agência Estado, o fato “bota lenha na fogueira” e “empurra” de vez o partido para fora do governo Dilma Rousseff.

Na avaliação desses membros do PMDB, houve uma “ação orquestrada” pelo governo, com apoio do Ministério Público e da Polícia Federal, para “intimidar” a legenda, em meio ao processo de impeachment de Dilma.

O processo foi deflagrado na semana retrasada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Peemedebistas afirmam que a operação vai contribuir para membros da executiva nacional do PMDB aprovarem, em reunião marcada para amanhã, resolução impedindo filiações consideradas “oportunistas” pelas lideranças da sigla.

A estratégia foi definida por Temer e Cunha durante reunião ontem, para barrar articulação da bancada do Rio e do Planalto para restituir Leonardo Picciani (RJ) na liderança do PMDB na Câmara.

A operação também pode acelerar a decisão da executiva nacional de antecipar a convenção nacional do partido, prevista para março. No evento, o partido pode aprovar o desembarque da sigla do governo Dilma.

Ontem, deputados anunciaram que pelo menos 10 dos 27 diretórios estaduais do PMDB já assinaram documento pedindo a antecipação da convenção, mais do que os 9 apoios mínimos necessários.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s