As rodovias afetadas pelos bloqueios de caminhoneiros hoje

Líder do movimento afirmou que caminhoneiros só irão negociar com o próximo presidente. Entenda

São Paulo – Dos 48 pontos de bloqueio em rodovias federais registrados nesta segunda-feira, 19 já estavam liberados por volta das 17h de hoje, segundo informações da Polícia Rodoviária Federal.

No total, cerca de 13 estados foram afetados pelos bloqueios organizados por caminhoneiros que pedem, entre outros pontos, a renúncia da presidente Dilma Rousseff. Ivar Schmidt, que é um dos líderes do movimento, chegou a afirmar que o grupo só irá negociar “com o próximo governante”.

Os caminhoneiros pedem ainda a redução do preço do óleo diesel, uma tabela de preços mínimos para o frete e a unificação dos salários da categoria.

Na lista de reinvindicações, o grupo pede também a reserva de mercado de 40% das cargas encomendadas pelo governo e liberação de crédito de R$ 50 mil com juros subsidiados para transportadores autônomos, além da anulação de multas aplicadas aos caminhoneiros durante os protestos passados e ajuda do governo para refinanciamento de veículos. 

Diferentemente das mobilizações do primeiro semestre, o protesto de hoje não tem vínculo com qualquer sindicato e foi organizado, principalmente, pelas redes sociais encabeçado pelo Comando Nacional do Transporte – que tem apoio de grupos da oposição como Revoltados Online. 

Em nota, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL) afirmou que a greve é política e não representa caminhoneiros. 

Veja o mapa das rodovias que tiveram interdições nesta segunda ou onde os bloqueios continuam:

A maior parte dos protestos, contudo, não afeta o tráfego nas estradas. Havia, até o final da tarde desta segunda-feira, apenas cinco bloqueios totais das estradas. Veja a lista: 

Rodovia interditada às 17h Município Estado BR Km Tipo de interdição
Sim Petrolina PE 407 130 TOTAL
Sim Juazeiro BA 407 2 TOTAL
Sim Dom Pedrito RS 293 247 TOTAL
Sim Vacaria RS 116 40 TOTAL
Sim Três Cachoeiras RS 101 22 TOTAL

Ano de protestos

Em fevereiro, caminhoneiros bloquearam rodovias de ao menos 10 estados contra o preço do diesel e a cobrança de pedágio por eixo suspenso dos caminhões, medida que influenciou o valor do frete. Em abril, entrou em vigor a Lei dos Caminhoneiros, que foi sancionada sem vetos pela presidente em resposta a um pedido da categoria.

No entanto, alguns dias depois, a categoria voltou a tomar as rodovias depois que o governo se recusou a criar uma tabela com valor mínimo para o frete. A tabela de frete mínimo aumentaria em torno de 30% os valores praticados hoje. Os manifestantes afirmam que a medida protegeria a categoria das oscilações do mercado.

O governo, por sua vez, considera a proposta inconstitucional e sugere a criação de uma tabela referencial, portanto, não obrigatória. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s