Bate-boca marca 2º dia do julgamento do impeachment

Na etapa de hoje serão ouvidas seis testemunhas em defesa de Dilma Rousseff (PT)

São Paulo – O segundo dia do julgamento de impeachment de Dilma Rousseff foi marcado por ânimos à flor da pele no Senado. Após discussões, a sessão foi suspensa na manhã pelo presidente do julgamento, Ricardo Lewandowski. Um discurso de Renan Calheiros, que tinha como objetivo de acalmar os presentes, acabou servindo como pólvora. Ele falou que havia desfeito o indiciamento da senadora Gleisi Hoffmann (PT) e de seu marido Paulo Bernardo.

Durante o restante do dia, foram realizadas as oitivas de Luiz Gonzaga Belluzzo, Geraldo Prado e Luiz Cláudio Costa.

Neste sábado, será realizada uma nova sessão para que os depoimentos de testemunhas sejam concluídos. Na segunda-feira fala a presidente afastada Dilma Rousseff.

26/08/2016 – 22:10

Fim da cobertura ao vivo

Chega ao fim a cobertura ao vivo de EXAME.com.

Abaixo você pode acompanhar a sessão desta sexta-feira.

26/08/2016 – 21:24

Fim da oitiva de Geraldo Prado

Chega ao fim a oitiva de Geraldo Prado, que foi testemunha como consultor jurídico. Agora, terá início a oitiva de Luiz Cláudio Costa, ex-secretário executivo do Ministério da Educação e ex-presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep).

Neste momento, são 13 parlamentares inscritos para fazer perguntas à testemunha de defesa. O primeiro a questionar será o senador Paulo Paim, do PT do Rio Grande do Sul.

Vale lembrar que a previsão para o término da oitiva de Geraldo Prado era para as 21 horas. Termina um pouco atrasada portanto.

26/08/2016 – 21:20

Tumulto

Uma discussão complexa toma conta do plenário. Tudo começou com Janaína Paschoal questinoando a testemunha se considera Cuba ou Venezuela democracias. Defensores de Dilma e petistas ficaram exaltados de maneira imediata.

O presidente do julgamento, Ricardo Lewandowski, decide que as testemunhas não poderam dar opiniões pessoais. Ele afirma que boa parte do que foi dita nas oivitas até agora envolvou posicionamentos pessoais – sejam as testemunhas de acusação ou defesa.

Agora, com os ânimos acalmados, Geraldo Prado volta a responder às questões de Janaína Paschoal.

26/08/2016 – 20:37

Está encerrada a oitiva da testemunha Geraldo Prado

Senado deve interrogar mais uma testemunha hoje. Outras duas serão ouvidas no sábado. 

A partir de agora, defesa e acusação questionam o professor. 

26/08/2016 – 20:17

Sono deve durar pouco …

26/08/2016 – 20:16

Impeachment global

26/08/2016 – 19:53

Arrependido

26/08/2016 – 19:48

Protesto

Lindbergh Farias, senador pelo PT, coloca uma questão “gravíssima”. Ele afirma que os senadores, como júris, deveriam estar no plenário para ouvir as oitivas das testemunhas. Vanessa Grazziotin também faz o mesmo protesto. Cássio Cunha, do PSDB, diz que a comparação não faz sentido. “O júri de um tribunal fica recluso, sem contato”, diz ele. “É uma comparação descabida.”

Lewandowski diz que ausência física não implica desconhecimento do processo. Senadores, de acordo com o presidente da sessão, podem estar acompanhando o conteúdo de seus gabinetes–o mesmo acontece com ministros do STF.

26/08/2016 – 19:27

Mudanças

Lewandowski acaba de anunciar uma mudança na ordem das testemunhas de defesa. Em vez de Nelson Barbosa, a próxima oitiva será com Luiz Cláudio Costa, ex-secretário executivo do Ministério da Educação e ex-presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep).

Nelson Barbosa, que foi ministro do Planejamento e da Fazenda no governo Dilma, será ouvido amanhã. Além dele, Ricardo Lodi, professor-adjunto de Direito Financeiro da Faculdade de Direito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), será ouvido. Com isso, temos oficializada a informação de que teremos sessão do julgamento neste sábado.

A oitiva de Geraldo Prado deve acabar por volta das 21 horas. A sessão seguirá até a finalização das perguntas a Luiz Cláudio Costa.

26/08/2016 – 19:08

Mais 14 para perguntas

Ainda temos 14 parlamentares inscritos para questionar a testemunha Geraldo Prado. Em média, cada parlamentar fala por seis minutos e a testemunha por mais seis. Com isso, a expectativa é que os questionamentos a Prado sejam concluídos dentro de quatro horas – ele seria finalizado às 21 horas.

Além dele, estão listadas outras três testemunhas. É provável, no entanto, que alguns deles sejam questionados em uma sessão amanhã.

26/08/2016 – 18:22

Jogo de tabuleiro

Os senadores receberam um jogo de tabuleiro do impeachment. Abaixo você vê uma imagem dele, que foi entregue a cada um dos parlamentares. Se estiver curioso, dá para baixar os arquivos e imprimir o material na sua casa. Os arquivos estão disponíveis no site do jogo.

Para mais informações, veja esta matéria que publicamos mais cedo.

26/08/2016 – 18:00

Pausa

Lewandowski suspende a sessão até as 19 horas. O cronograma foi alterado por conta da pausa adiantada após as discussões que aconteceram mais cedo. Os senadores voltam em uma hora para continuar o questionamento ao professor Geraldo Prado, testemunhando como consultor jurídico.

26/08/2016 – 17:47

Bem relacionado

A testemunha Geraldo Prado, que está atuando como consultor jurídico, já falou mais de uma vez sobre conversas com juristas e acadêmicos de outros países – já falou sobre italianos e portugueses. Em duas ocasiões, disse que os estrangeiros se surpreenderam com a possibilidade de que Dilma Rousseff sofra impeachment por conta de problemas nas contas. “Nenhum governante europeu duraria no cargo por mais de três meses”, teria dito um italiano.

26/08/2016 – 17:43

Volta Eduardo Cunha

José Pimentel, senador pelo PT do Ceará, fala sobre as acusações contra Eduardo Cunha e diz que o processo contra o ex-presidente da Câmara é o mais longo da história da Comissão de Ética. “Mas querem cassar uma mulher trabalhadora e honesta. Talvez porque ela não gosta de fazer um telefone ou outro para parlamentares”, diz.

26/08/2016 – 17:18

Geraldo Prado permanece como testemunha

A acusação pediu para que a testemunha da defesa, o professor de Direito Geraldo Prado, fosse ouvido como informante e não como testemunha no julgamento do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Lewandowski nega pedido e mantém Prado como testemunha

26/08/2016 – 17:10

Bate-volta

Mal desembarcou em Brasília, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já está de volta a São Paulo. O petista veio para se reunir com Dilma e senadores.

26/08/2016 – 16:40

Bolão da votação

26/08/2016 – 16:19

Segunda testemunha de Dilma entra no plenário

A partir de agora os senadores questionarão Geraldo Prado, professor de direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). 

26/08/2016 – 16:06

Autora da denúncia questiona testemunha de Dilma

A advogada de acusação, Janaína Paschoal, interroga Belluzzo.

26/08/2016 – 15:48

Presidente retoma a sessão

O advogado de Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, fará seus questionamentos ao professor e economista Luiz Gonzaga Belluzzo.

“Nós precisavamos trazer uma pessoa que conhecesse profundamente a economia”, diz. 

26/08/2016 – 15:44

A sessão é suspensa por 5 minutos.

26/08/2016 – 15:24

Senadores permanecem interrogando a testemunha de Dilma

Dos 18 parlamentares inscritos para falar, 14 já questionaram a primeira testemunha de Dilma, o professor e economista Luiz Gonzaga Belluzzo. 

Neste momento, a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) faz seus questionamentos. 

26/08/2016 – 15:11

Bela, recatada e do lar?

26/08/2016 – 14:55

Três testemunhas de Dilma foram dispensadas; entenda

26/08/2016 – 14:46

Estes são os senadores inscritos para questionar Dilma

Quem já se inscreveu para interrogar Dilma
1. Paulo Paim (PT-RS)
2. Ana Amélia (PP-RS)
3. Ataídes Oliveira (PSDB-TO)
4. Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM)
5. Ricardo Ferraço (PSDB-ES)
6. Simone Tebet (PMDB-MS)
7. Paulo Bauer (PSDB-SC)
8. José Medeiros (PSD-MT)
9. Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP)
10. Lasier Martins (PDT-RS)
11. Antonio Anastasia (PSDB-MG)
13. Lídice da Mata (PSB-BA)
12. Ronaldo Caiado (DEM-GO)
14. Waldemir Moka (PMDB-MS)
15. Hélio José (PMDB-DF)
16. Gleisi Hoffmann (PT-SC)
17. Eduardo Amorim (PSC-SE)
18. Cidinho Santos (PR-MT)
19. Armando Monteiro (PTB-PE)
20. José Aníbal (PSDB-SP)
21. Acir Gurgacz (PDT-RO)
22. Jorge Viana (PT-AC)
23. Katia Abreu (PMDB-TO)
24. Aécio Neves (PSDB-MG)
25. Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)
26. Alvaro Dias (PV-PR)
27. Lindbergh Farias (PT-RJ)
28. Tasso Jereissati (PSDB-CE)
29. Roberto Rocha (PSB-MA)
30. Pedro Chaves (PSC-MS)

26/08/2016 – 14:32

Senadora Fátima Bezerra questiona o professor Belluzzo

Neste momento, a senadora petista faz seus questionamentos ao professor e economista Luiz Gonzaga Belluzzo – o primeiro a testemunhar pela defesa de Dilma. 

A parlamentar é uma das mais criticadas nas redes sociais. 

26/08/2016 – 14:19

Dilma terá três testemunhas

Das seis testemunhas indicadas pela defesa de Dilma Rousseff, somente 3 serão ouvidas nessa condição.

Por conta de questões de ordem e indagações do advogado da petista, José Eduardo Cardozo, as outras duas pessoas serão ouvidas como informantes. 

Vale lembrar que a ex-secretária do Orçamento Esther Dweck foi retirada da lista pela própria defesa.

26/08/2016 – 14:00

Lewandowski faz um apelo

Para não prolongar a sessão, o presidente do STF diz que a partir de agora não vai conceder os 30 segundos para a complementação de perguntas e respostas.

“Tteremos cerca de 23 horas para ouvir depoentes e interrogantes, fora acusação e defesa”, afirmou. 

26/08/2016 – 13:50

Senadores questionam a primeira testemunha

Neste momento, o professor e economista Luiz Gonzaga Belluzzo é interrogado pelos senadores. 

No total, 18 parlamentares estão inscritos para fazer perguntas. A primeira a fazer indagações foi a senadora Vanessa Grazziotin.

Fala agora o senador Paulo Paim (PT-RS).

26/08/2016 – 13:40

Senadores retornam ao plenário

Após duas horas de intervaldo, a sessão é retomada. A primeira testemunha da defesa, o economista Luiz Gonzaga Belluzzo, será ouvida. 

26/08/2016 – 13:27

Renan deixou escapar que intercedeu no STF por Gleisi

26/08/2016 – 12:50

Cardozo: Ontem foi um dia desastroso na vida dos inimigos

… e a acusação está chateada hoje.

26/08/2016 – 12:48

Dilma Rousseff: Resisto para honrar mulheres do Brasil

Em post publicado há pouco em sua página oficial no Facebook, a presidente afastada Dilma Rousseff afirma que resiste para honrar as mulheres do país. 

26/08/2016 – 12:33

Vai ter decoro!

26/08/2016 – 12:33

Ontem, já foram 30 litros de chá. Hoje deve ser mais:

26/08/2016 – 12:16

A nova tática dos anti-Dilma: ficar em silêncio

26/08/2016 – 12:15

Os bastidores da briga de hoje

Senadores acredita que Renan explodiu com Gleisi após ter resistido bastante na sessão de ontem. Ele não gostou quando ela disse que nenhum senador tinha moral para questionar Dilma. Veja bem. 

26/08/2016 – 12:14

Magno Malta, o pacificador?

26/08/2016 – 11:36

Lindbergh Farias faz críticas a Calheiros e Caiado

26/08/2016 – 11:17

Defesa persiste

As pesquisas e os analistas concordam que a tendência é praticamente irreversível em favor da destituição da presidente.

Defesa de Dilma busca evitar impeachment no Senado

26/08/2016 – 11:12

Lewandowski faz pausa para almoço

O presidente do STF, Ricardo Lewandowski, diz que o almoço será antecipado.

A sessão deve ser retomada às 13h. 

26/08/2016 – 11:10

Confusão no plenário

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), diz que a sessão de hoje mostra que “a burrice é infinita”. O comentário é criticado pelos senadores e gera bate-boca no plenário.

O presidente suspende a sessão por 5 minutos. 

26/08/2016 – 11:05

Julgamento em um hospício?

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), pede a palavra e faz um apelo:

“Nós estamos vivendo um momento muito difícil desse processo de julgamento”, diz. “Estamos passando para o Brasil e para o mundo a ideia de que vossa excelência está sendo obrigado a presidir um julgamento em um hospício. Nós não podemos apresentar esse espetáculo à sociedade”.

Em seguida, Calheiros pede que os senadores ajudem Lewandowski a cumprir a missão de presidir a sessão. 

Ele acrescenta que o confronto político entre os parlamentares não é bom para ninguém e pede que o regimento e a Constituição sejam cumpridos. 

26/08/2016 – 11:02

A sessão é retomada.

26/08/2016 – 10:58

Zero decoro

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) chama Ronaldo Caiado (DEM-GO) de “desqualificado” e causa um princípio de confusão no plenário.

Em seguida, o presidente Ricardo Lewandowski pede que o parlamentar tenha respeito. Sem sucesso, o ministro desliga os microfones e suspende a sessão por 5 minutos.  

Ontem, os dois quase partiram para a agressão física. Na foto, a briga de ontem: 

26/08/2016 – 10:57

Aliados de Temer reconhecem estratégia da defesa

26/08/2016 – 10:54

Testemunho de auditor segue em pauta

Senadores discutem a legitimidade do depoimento do auditor Antônio Carlos Costa D’Ávila, que fala em nome da acusação de Dilma Rousseff. 

26/08/2016 – 10:38

Sem hora de almoço

O ministro e presidente do STF, Ricardo Lewandowski, diz que talvez seja necessário cancelar o horário de almoço devido ao elevado número de parlamentares inscritos para falar. 

26/08/2016 – 10:37

Nas redes sociais

Veja a reação dos brasileiros nas redes sociais sobre o segundo dia do julgamento de Dilma Rousseff. 

26/08/2016 – 10:31

Dilma diz que paga o preço por não ter barrado a Lava Jato

Em sua defesa no plenário do Senado, a presidente afastada Dilma Rousseff deve alegar que o processo de impeachment só foi aberto porque ela não barrou a Operação Lava Jato. 

Dilma deve dizer que paga o preço por não barrar a Lava Jato

26/08/2016 – 10:21

Nos bastidores: Presidente do STF é “workaholic”

Engana-se quem duvida da resistência de Ricardo Lewandowski. O ministro e presidente do STF aguenta maratonas de trabalho muito mais intensas do que a de ontem.

Muitas vezes, o parlamentar pede um suco de laranja após 12 horas de trabalho. Quando faz isso é porque a jornada está longe do final. 

26/08/2016 – 10:07

Pontualidade já!

26/08/2016 – 10:01

Cardozo pede que testemunha seja ouvida como informante

O advogado da defesa, José Eduardo Cardozo, intervém e diz que o auditor federal de Controle Externo do TCU, Antônio Carlos Costa D’Ávila, participou da elaboração da peça de acusação contra a presidente Dilma Rousseff e deve ser desqualificado como testemunha.

26/08/2016 – 09:58

Pizzada

26/08/2016 – 09:51

Gleisi Hoffmann pede desqualificação de testemunha

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) pede a suspensão da única testemunha da acusação, o auditor federal de Controle Externo do TCU,  Antônio Carlos Costa D’Ávila.

A advogada da acusação, Janaína Paschoal, argumenta contra o pedido da senadora Gleisi.

26/08/2016 – 09:47

Começa o segundo dia de julgamento

O presidente do STF, o ministro Ricardo Lewandowski, abre a sessão.

26/08/2016 – 09:45

Senadora diz que Dilma estará confortável na segunda-feira

26/08/2016 – 09:37

Ricardo Lewandowski já está sentado à mesa

O presidente do STF, o ministro Ricardo Lewandowski, já está sentado à mesa do Plenário do Senado.

A sessão – já com 40 minutos de atraso – deve começar em instantes. 

26/08/2016 – 09:29

Janaína Paschoal talvez não faça perguntas a Dilma

De acordo com VEJA.com, a advogada Janaína Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment, diz que talvez não fará perguntas a Dilma Rousseff na próxima segunda-feira – quanto a petista irá ao plenário do Senado fazer a sua própria defesa.

26/08/2016 – 09:23

Senadores comentam estratégia da acusação

26/08/2016 – 09:17

Sessão atrasada

Já passam das 9h, horário previsto para o julgamento ser retomado. Poucos senadores ocupam o plenário neste momento.

26/08/2016 – 09:12

Acusação quer barrar uma testemunha de Dilma

26/08/2016 – 09:02

Estratégia da acusação

Na sessão de ontem, a defesa de Dilma comemorou a suspensão do procurador do Tribunal de Contas da União, Júlio Marcelo Oliveira, como testemunha da acusação. 

Agora, a estratégia dos senadores que apoiam o impeachment é fazer o mesmo com uma das seis testemunhas que falarão a favor da petista.

26/08/2016 – 08:41

Quem são as testemunhas que farão a defesa de Dilma

A partir das 9h de hoje serão ouvidos:

Geraldo Prado – consultor jurídico

Nelson Barbosa – ex-ministro da Fazenda

Luiz Gonzaga Belluzzo – economista

Esther Dweck – ex-secretária de Orçamento Federal

Luiz Cláudio Costa – ex-secretário-executivo do Ministério da Educação

Ricardo Lodi – professor de Direito da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s