Belgas ministram curso sobre diamantes no Brasil

O método de ensino consiste em explicações teóricas e uma parte prática, na qual capacitará os funcionários para reconhecer e analisar os diamantes

Bruxelas – Uma delegação do Centro Mundial de Diamantes da Antuérpia ministra até sexta-feira no Brasil um curso de formação no setor a 16 trabalhadores do Ministério de Minas e Energia, confirmou nesta quarta-feira à Agência Efe a porta-voz da instituição belga, Margaux Donckier.

Este curso, de duas semanas de duração, tem a pretensão de que o Brasil possa aplicar adequadamente os requerimentos do Processo de Kimberley, que regula o comércio mundial destas pedras preciosas para evitar o negócio com os chamados “diamantes de sangue” obtidos em zonas de conflito mediante práticas ilegais, como o uso de escravos.

O método de ensino consiste, entre outras coisas, em explicações teóricas e uma parte prática, na qual capacitará os funcionários para reconhecer e analisar os diamantes brutos e poder determinar com precisão a origem e o valor da pedra, explicou a organização.

Com esta formação, também procura-se estreitar laços entre Antuérpia -a capital mundial do diamante- e o Brasil como desejo de levar a produção destas pedras preciosas das minas brasileiras finalmente rumo à cidade belga, garantiu a empresa em comunicado .

O Brasil ocupa atualmente a 18ª posição em produção de diamantes, com uma produção anual de cerca de 57 mil quilates que equivalem a US$ 2,7 milhões e dos quais mais da metade são exportados aos Emirados Árabes Unidos, segundo dados do Centro Mundial de Diamantes de Antuérpia.

Embora atualmente a produção seja artesã e siga um tipo de exploração aluvial, a descoberta nos últimos anos de 50 minas potenciais atraiu o setor de diamantes da Antuérpia, que vê no país brasileiro um novo parceiro.

Os especialistas belgas pretendem reverter a dinâmica atual e conseguir a importação de quase 225 mil quilates de diamantes por ano desde a mina de Lipari, a única inteiramente de kimberlite -uma rocha vulcânica que às vezes contém diamantes- no Brasil.

“As 50 minas descobertas são um território literalmente desconhecido”, disse a porta-voz, que explicou que a Antuérpia espera que após pôr à disposição seus conhecimentos e experiência para desenvolver o potencial do Brasil, consiga levar as pedras brasileiras à Bélgica uma vez que comece a produção.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s