Brasil não valoriza bom professor, diz Banco Mundial

Durante palestra no EXAME Fórum Educação, economista-chefe do Banco Mundial afirmou o que falta ao preparo de docentes brasileiros para melhorar índices

São Paulo – Em palestra no EXAME Fórum Educação, na manhã de hoje (15), a economista-chefe do Banco Mundial na área de educação para América Latina e o Caribe, Barbara Bruns, apresentou pesquisa do instituto que destaca o papel dos professores na necessária melhoria da educação no país.

A pesquisa feita em 18 mil salas de aula e publicada no livro “Professores Excelentes: Como Melhorar a Aprendizagem dos Estudantes da América Latina e do Caribe” permite fazer comparações entre as políticas dos países e verificar carências. Para o Brasil, ela indicou as principais diretrizes que demandam mudanças, em especial a capacitação dos docentes.

Para Barbara, o ponto mais crítico é que os professores brasileiros são, em geral, ineficientes e não há políticas para valorizar aqueles que se destacam.

Segundo a economista, o corpo docente é mal treinado para gerenciar a sala de aula, o que resulta em cerca de 20% menos produtividade em relação ao que é considerado por boa prática pelo Banco Mundial — algo como um dia por semana desperdiçado. O foco dos alunos na aula também é baixo, cerca de 24% do tempo de aula, prejudicando o aprendizado.

“Dentro de cada escola, há uma variação enorme entre as práticas do melhor para o pior professor”, disse. “O positivo disso é que já existe uma maior possibilidade de difusão de boas práticas dentro das escolas. O problema é que todos são tratados da mesma forma, mesmo aqueles com desempenho muito diferenciado. Os bons não recebem incentivo, os ruins não sofrem consequências.”

Como solução, Barbara indica políticas públicas mais exigentes, que eliminem os professores com baixo desempenho e dê bônus aos excelentes através de avaliações periódicos auditados por instituições externas ao governo, como acompanhamento de aulas e supervisão da evolução didática dos alunos.

“É algo que já acontece em países como Chile, México e Colômbia, para citar apenas a América Latina”, afirma. “A transição leva tempo, mas, sem mudar os padrões, os jovens não receberão a educação que merecem e de que o país precisa.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s