Cardozo diz a Cunha que pediu investigação de vazamentos

Ministro rebateu as críticas do presidente da Câmara que o acusou de não tomar providências quanto aos vazamentos de dados sigilosos da PF

Brasília – O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, rebateu as críticas do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que o acusou de não tomar providências quanto aos vazamentos de dados sigilosos da Polícia Federal.

Em nota à imprensa, Cardozo disse que determinou a abertura de inquéritos para investigar “todo e qualquer caso em que ocorra a violação do dever legal de sigilo (vazamento ilegal)”.

Mais cedo, Cunha divulgou nota pública na qual lamentou o “vazamento seletivo de dados protegidos por sigilo legal e fiscal que deveriam estar sob a guarda de órgão do governo”, se referindo às notícias divulgadas ontem de que seu patrimônio evoluiu acima do que seria compatível com sua renda familiar.

As reportagens são baseadas em relatório da Receita Federal.

Além disso, foi divulgado na imprensa a troca de mensagens de e-mail entre o ex-presidente da OAS, Leonardo Pinheiro – condenado por envolvimento na Operação Lava Jato – o presidente da Câmara, os ministros da Casa Civil, Jacques Wagner, do Turismo, Henrique Eduardo Alves, e da Secretaria de Comunicação da Presidência da República, Edinho Silva.

Cunha acusa o ministro Cardozo de ter uma “atitude seletiva” por não solicitar investigações quanto ao vazamento de informações sigilosas referentes a ele que estejam sob investigação da Polícia Federal.

Para o presidente da Câmara, o ministro age diferente quanto os atingidos pelos vazamentos são membros do governo.

Cardozo respondeu que a crítica “causa espécie, uma vez que o pedido de apuração foi feito pelo ministro Jacques Wagner ao ministro da Justiça, e a determinação de abertura do inquérito visa a apurar vazamento em que, em tese, o próprio presidente Eduardo Cunha também seria vítima”.

E diz ainda que “caso o presidente da Câmara entenda que ainda existam vazamentos ilegais que exijam a abertura de novos inquéritos, poderá, como o tem feito em vários outros casos, representar ao ministro da Justiça pleiteando a abertura de investigação que julgar devida”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s