CGU encontra 37 irregularidades em convênios da CBB

São irregularidades de todos os tipos em repasses que somam R$ 18 milhões do Governo Federal à entidade

São Paulo – Com dívidas de mais de R$ 13 milhões, a Confederação Brasileira de Basquete (CBB) pode ter ainda mais problemas para se manter em pé nos próximos anos.

Um relatório da Controladoria Geral da União (CGU) a respeito dos convênios que a CBB firmou com o Ministério do Esporte entre 2011 e 2014, aponta 37 irregularidades, que, somadas, têm “potencial prejuízo ao erário de R$ 1,043 milhões”.

São irregularidades de todos os tipos em repasses que somam R$ 18 milhões do Governo Federal à entidade que cuida do basquete no País.

Em um dos casos, a CGU questiona o gasto de R$ 18 mil em serviços de hospedagem e alimentação no Brasil para a seleção masculina sub-19, que naquele período excursionava no exterior.

Em outra situação, a CBB gastou R$ 20 mil em hospedagem, alimentação e lavanderia num hotel no qual a seleção não estava hospedada.

A CGU questiona também casos nos quais a contratação de serviços superam em mais de 100% o valor orçado e aprovado pelo Ministério. Num dos casos, a CBB pagou 185% a mais do que o previsto por quartos de hotel nos EUA. Em outro, o ágio foi de 173%, na República Checa.

No relatório, a CGU faz uma série de recomendações ao Ministério do Esporte. Sugere, por exemplo, que a pasta cobre da CBB a devolução de R$ 74,3 mil referentes à compra de passagens para pessoas “não convocadas para a seleção masculina sub-19”.

Recomenda, ainda, que o Esporte cobre que a CBB “discrimine os comprovantes de despesas com hospedagens nas viagens internacionais realizadas e, caso a documentação apresentada não esteja de acordo com o disciplinado no Termo de Convênio, proceda à glosa dos valores relacionados.”

Clarice Mancuso Garbi, esposa do presidente da CBB, Carlos Nunes, teria sido uma das pessoas beneficiadas com viagens ao exterior, bancadas por verbas públicas.

A Eletrobrás, então patrocinadora do basquete, chegou a rejeitar os recibos de passagens aéreas, jantares e compras feitas no exterior por Nunes, sob o argumento de que eram “despesas não previstas em contrato”.

A Eletrobrás rompeu o contrato de patrocínio em 2013, meses depois de renová-lo. Pagou a primeira parcela do novo acordo e, em seguida, entrou na Justiça contra a CBB.

A estatal cobra mais de R$ 4 milhões, sendo R$ 2,3 em despesas recusadas na prestação de contas. A Eletrobrás aponta 63 notas com gastos sem previsão contratual.

Com as 37 irregularidades apontadas pela CGU nos convênios, a CBB atinge 99 irregularidades.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s