Estado quer transferir alunos de 11 anos para cracolândia

Com o ciclo único, o governo tornará a escola João Kopke em unidade responsável por oferecer apenas os anos finais do ensino fundamental

São Paulo – A Secretaria da Educação do Estado quer transferir para um colégio que fica na região da cracolândia, centro de São Paulo, alunos de 11 a 14 anos que ainda estão no ensino fundamental.

A escola é uma das 20, segundo levantamento feito pela reportagem, que na segunda-feira, 16, eram ocupadas por estudantes na capital, região metropolitana e interior – o governo confirma 17.

Em meio ao processo de reorganização das escolas para ter ciclo único, o governo estadual tornará a escola João Kopke, na Alameda Cleveland, em unidade responsável por oferecer apenas os anos finais do ensino fundamental, que atende crianças e adolescentes do 6º ao 9º ano.

Hoje, a João Kopke abriga estudantes dos ensinos médio e fundamental. A ideia é que os alunos mais velhos sejam “trocados” pelos mais novos que estudam na Escola Estadual Fidelino Figueiredo, em Santa Cecília. Desta forma, este outro colégio passará a ter apenas o ensino médio.

A medida tem causado preocupação aos pais dos alunos, que temem pela segurança dos filhos e pela exposição constante ao tráfico de drogas e de operações da Polícia Militar e da Guarda Civil Metropolitana (GCM).

“Hoje meu filho vai sozinho para a escola. Mas, com essa mudança, não vai ter como. É muito perigoso, tem conflito todo dia”, reclamou o zelador Roberto Firmino de Oliveira, de 50 anos. “Tenho muito medo de deixar minha filha vir para cá”, disse a secretária Rosimery Gomes de Andrade, de 49. Ambos têm filhos de 13 que estão hoje na Fidelino Figueiredo e que serão transferidos.

A Secretaria da Educação informou na segunda-feira, por meio de nota, que a Diretoria Regional de Ensino Centro levou em consideração o endereço dos alunos ao fazer a reorganização.

Para os pais descontentes, a secretaria informou que “será aberto um período para transferência entre os dias 18 e 25, em que os pais poderão alterar a matrícula dos seus filhos”.

Uma carta assinada pela comunidade escolar da escola Fidelino de Figueiredo foi distribuída entre os pais para criticar a mudança.

“Não vamos permitir que as crianças de 10, 11 anos que hoje estudam na Fidelino sejam transferidas por uma política absurda e que não se justifica, e muito menos que fiquem expostas à violência social que a falta de uma política pública produz naquela região.”

Protesto

Os portões da João Kopke ficaram trancados com grades e cadeado durante o dia. Os alunos decidiram em assembleia ocupar o colégio até que a mudança fosse revertida.

Por volta das 14 horas, parte dos estudantes bloqueou a Alameda Cleveland e entrou em um bate-boca com policiais militares que tentavam manter o fluxo de carros na região.

Frequentadora da cracolândia há um ano, Benedita Pereira de Souza, de 45 anos, chegou ao colégio para oferecer ajuda aos alunos. Ela foi ao local acompanhada do padre Júlio Lancellotti, da Pastoral dos Povos de Rua, para entregar comida e cobertores aos manifestantes. “Vim apoiar a luta deles. Eu tive cabeça fraca e não estudei quando deveria. Eles precisam estudar em escola boa, senão vão parar na cracolândia, como eu.”

O ato também teve apoio de professores do colégio. “É uma desorganização. Essa escola é a única referência de ensino médio que eles têm na região. Querem mandar os alunos para Santa Cecília, mas eles moram aqui”, disse a professora de História Maria Aparecida Gomes da Silva, de 53 anos. “Estamos apoiando o movimento deles”, afirmou a professora de Português Andreia Cristina Gonçalves, de 43 anos.

MTST

Além das ocupações feitas por estudantes, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) tem participado dos protestos desde sexta-feira. Na segunda-feira, o movimento estava em seis unidades. Gabriel Simeone, da coordenação do MTST, disse que o movimento deve promover novas ocupações nos próximos dias.

Além das escolas da Grande São Paulo, cerca de 30 alunos ocuparam a Escola Estadual Prefeito Mario Avesani, em Santa Cruz das Palmeiras, a 250 km de São Paulo.

A unidade deixará de ter ensino médio no próximo ano e os cerca de 300 alunos do ciclo serão transferidos para uma escola no centro da cidade.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s