Com reforma, Dilma busca virada tentando o impossível

Coluna de Alexandre Caverni

SÃO PAULO – A se confirmarem as últimas notícias, a presidente Dilma Rousseff parece estar tentando o impossível com a reforma administrativa e ministerial: cortar ministérios, agradar todos os blocos do PMDB, dar poder prático ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ficar bem, na medida do possível, com o PT e não arranhar demais os outros aliados.

Isso tudo tendo dois objetivos mais ou menos bem definidos: garantir apoio parlamentar necessário para evitar seu impeachment e votos para que as novas medidas do ajuste fiscal sejam aprovadas do jeito que precisam ser aprovadas.

Mas ao fim e ao cabo nada garante que os dois objetivos serão alcançados, ou mesmo um deles.

Manter ministros do PMDB ligados ao vice-presidente Michel Temer e os que representam os senadores do partido e ainda oferecer o “gordo” Ministério da Saúde para contemplar os deputados peemedebistas visa algo crucial para que Dilma consiga sobreviver na Presidência até 2018: impedir que os parlamentares do PMDB desembarquem no movimento pelo impeachment.

De quebra, o Palácio do Planalto espera mais apoio para aprovar medidas impopulares. Do lado do PT, a presidente parece ter se rendido à dura realidade da política e também aos desejos de Lula.

Embora o ministro Jaques Wagner não seja um pau-mandado do ex-presidente e tenha um bom relacionamento com Dilma, no tabuleiro atual ele será, ao assumir a Casa Civil no lugar de Aloizio Mercadante, mais um homem de confiança de Lula no Palácio de Planalto –o outro é o ministro da Comunicação Social, Edinho Silva.

Com Wagner na Casa Civil, além de agradar Lula, Dilma tenta contentar outras lideranças petistas e aliadas que há tempos pediam a cabeça de Mercadante.

E mesmo não sendo diretamente responsável pela coordenação política neste cargo, a aposta é que Wagner consiga melhorar bem a relação do Executivo com o Legislativo, uma vez que já desempenhou esse papel no governo do ex-presidente.

Ao colocar Mercadante de volta ao Ministério da Educação, Dilma não abandona ao sereno –e à primeira instância da Justiça– aquele que é considerado seu mais fiel auxiliar. Como ministro, ele mantém o foro privilegiado num momento em que é investigado por suposto caixa dois na campanha eleitoral de 2010.

Ao mesmo tempo, com esse movimento, a presidente compensa de alguma forma o PT por dar ao partido a Educação, outro dos ministérios “gordos” em recursos –mesmo em tempos de “seca fiscal”, uma pasta “gorda” gasta mais do que uma “magra”.

Em paralelo a esses movimentos principais, a presidente deve tirar o status de ministério de algumas secretarias de Estado, fundir outras pastas e acomodar os demais aliados com o que sobrar.

Se ela vai conseguir costurar todos os movimentos com a sintonia fina necessária e se isso tudo vai funcionar e cumprir os propósitos perseguidos, só as próximas semanas e votações dirão.

Mas considerando o comportamento que a chamada base governista vem tendo neste segundo mandato de Dilma, o retorno pode vir a ser bastante modesto.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s