Como a vida nas cidades melhorou nos últimos dez anos

Estudo do Ipea mostra que mais gente passou a ter acesso a serviços básicos de educação, saúde e moradia. A disparidade entre as regiões, no entanto, continua

São Paulo – Nos últimos dez anos, a exclusão social diminuiu e mais gente passou a ter acesso a serviços básicos de educação e saúde. As disparidades entre as regiões brasileiras, no entanto, não mudaram muito.

As conclusões fazem parte de um estudo divulgado hoje pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) que mede o Índice de Vulnerabilidade Social das cidades a partir de parâmetros de saúde, educação, infraestrutura urbana, renda e trabalho. 

O indicador varia de 0 a 1, sendo que, quanto maior for o número, piores são as condições de vida. No Brasil, o índice de exclusão caiu 27%, passando de 0,446, em 2000, para 0,326 em 2010.

Melhores condições, desigualdade de sempre

A pesquisa divide as cidades em faixas de vulnerabilidade que variam de muito baixa a muito alta. Em dez anos, o número de municípios que ocupavam as piores faixas caiu de 3610 para 1981.

Ao mesmo tempo, o número de cidades com baixa ou muito baixa vulnerabilidade social aumentou de 638 para 2326. No mapa abaixo é possível ver essa diferença. Os municípios em vermelho são os com as piores condições de vida.

(Reprodução/Ipea)

Também é possível notar que as regiões Norte e Nordeste continuam concentrando os municípios com as piores posições. A situação é delicada nos estados do Acre, do Amazonas, do Pará, do Amapá, de Rondônia, do Maranhão, de Alagoas e de Pernambuco.

“Isso [a desigualdade entre os índices] evidencia a existência de um país polarizado, com realidades, necessidades e prioridades distintas, que devem ser mais profundamente investigadas a fim de superar as, ainda existentes, desigualdades regionais”, diz o relatório.

Em miúdos

Para mapear a situação das cidades brasileiras, o Ipea avalia três indicadores: Infraestrutura Urbana, Renda e Trabalho e Capital Humano.

Na Infraestrutura Urbana, é levado em conta as condições da população em suas moradias, como abastecimento de água, coleta de lixo, serviço de esgoto e tempo de deslocamento de casa até o trabalho. 

No indicador Capital Humano, são avaliados dados como a proporção de pessoas de baixa renda, a taxa de desemprego, o trabalho informal e o trabalho infantil.

Por último, o Capital Humano leva em conta indicadores de saúde e educação como taxa de mortalidade infantil, crianças fora da escola, jovens que não trabalham e estudam e mães adolescentes. 

Nas tabelas abaixo é possível ver a mudança nos três indicadores no período de dez anos. Dos três, o que sofreu a maior queda foi Renda e Trabalho. 

Infraestrutura Urbana  
2000 0,351
2010 0,295

.

Capital Humano  
2000 0,503
2010 0,362

.

Renda e Trabalho  
2000 0,485
2010 0,32

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s