Decisão de Fachin de impeachment atrasa processo, diz Cunha

Segundo Cunha, o STF deverá se manifestar sobre um ponto específico e a Câmara ficará paralisada à espera de uma decisão

Brasília – O presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou que a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin de suspender o debate do impeachment da presidente Dilma Rousseff que estava tramitando no Congresso até a próxima semana atrasa o processo na Câmara e acha pouco provável que “tenha qualquer prosseguimento”.

Para ele, a Corte deverá se manifestar sobre um ponto específico e a Câmara ficará paralisada à espera de uma decisão.

Cunha classificou o tempo pedido por Fachin para que a Corte tome uma decisão definitiva como muito grande, mas preferiu respeitar a decisão do STF.

“A gente respeita a decisão seja monocrática ou coletiva do Supremo em qualquer momento”, afirmou.

O presidente da Casa não se mostrou confiante com a intenção de Fachin de definir um rito para o processo, como o ministro informou hoje.

Na avaliação de Cunha, isto não garante que não haverá divergências e disputas até o fim.

Com relação à votação secreta para a formação da comissão especial que apreciará o impeachment ontem na Câmara, Cunha disse estar convencido que adotou todas as questões regimentais.

Quintão

Cunha avaliou ainda que a decisão de substituir o líder do PMDB na Casa, Leonardo Picciani (RJ), por Leonardo Quintão (MG), teve o objetivo de resolver um problema interno do partido. Cunha apoiou a escolha do mineiro.

“Eu resolvi apoiar por uma questão política, porque eu entendi que a bancada não estava sendo representada e as indicações causaram racha na bancada que levou à formação da chapa alternativa e isso estava dilacerando o partido”, afirmou.

O presidente da Câmara evitou criticar o ex-líder da legenda e aliado do Palácio do Planalto. “Sem qualquer crítica ao líder anterior é uma questão política da bancada”, disse.

O deputado rebateu também as acusações contra ele após a destituição do relator Fausto Pinato (PRB-SP) do processo disciplinar no Conselho de Ética.

“Golpe é o que estavam fazendo com o descumprimento do regimento”, disse.

Cunha evitou falar sobre a decisão, mas se mostrou confiante nos procedimentos que foram seguidos. Para ele, o presidente do conselho resolveu seguir regimento próprio. “Da mesma forma que eu sou obrigado a cumprir, ele é obrigado a cumprir o regimento”, disse.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s