Dois ministérios do governo entram na mira da Lava Jato

Segundo informações do jornal O Globo, cerca de R$ 10 milhões teriam sido pagos por consultoria que não existiu

São Paulo – Contratos de prestação de serviços de mais dois ministérios entraram no radar da Operação Lava Jato.

De acordo com declarações do delegado da Polícia Federal, Marcio Anselmo, ao jornal O Globo, o empresário Pablo Kipersmit, presidente da Consist Informática, teria admitido pagamentos de R$ 10,7 milhões ao lobista Milton Pascowitch, um dos delatores do esquema. Em troca, a empresa teria ganhado o direito de prestar consultoria para o Ministério da Previdência.

Kipersmit está preso em Curitiba desde a última segunda-feira e teria revelado as informações em depoimento à PF. O pagamento foi feito à Jamp, empresa de Pascowitch, e repassada a João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT, entre 2011 e 2013.

Segundo relato do delegado Anselmo, o contrato seria de fachada e Pascowitch teria facilitado os contatos da Consist com a Previdência. “O que nós sabíamos, no entanto, é que a Consist tinha relações com o Ministério do Planejamento. Por isso, estamos tentando mapear a origem do dinheiro da Consist”, afirmou ao jornal.

A PF e o Ministério Público Federal já sabiam que a Consist foi escolhida para ser gestora do sistema de pagamentos consignados de servidores federais sem licitação.

A empresa chegou ao negócio por acordo entre Ministério do Planejamento e Gestão com a Associação Brasileira de Bancos (ABBC) e o Sindicato das Entidades Abertas de Previdência Privada (Sinapp) em 2010. A propina serviu para facilitar o negócio.

Agora, a PF deve pedir a quebra de sigilo fiscal e bancário da Consist para esclarecer os recebimentos do dinheiro da empresa.

Atualização (11/8 às 17h48): Em nota enviada a redação, o Ministério da Previdência diz que todos os procedimentos relativos ao processamento do crédito consignado de aposentados e pensionistas, geridos pelo ministério, são realizados exclusivamente pela Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev). “Por conseguinte, não existe e nem nunca foi firmado contrato, convênio ou consultoria pelo Ministério da Previdência e qualquer entidade a ele vinculada – INSS, Previc e a própria Dataprev – com a empresa citada ou outra empresa privada para a prestação desse tipo de serviço.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s