Em jantar, Levy recebe apoio de empresariado

Grupo de empresário se reuniu para prestar apoio ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Nos últimos dias, ele pareceu fragilizado no cargo

São Paulo – O empresário Carlos Alberto Sicupira, mais conhecido como Beto Sicupira, recebeu na quarta-feira (2) em sua casa, em São Paulo, grandes empresários e o ministro da Fazenda, Joaquim Levy. O ponto central do encontro foi a discussão de medidas que possam garantir o ajuste fiscal e evitar que o Brasil perca o selo de bom pagador das agências internacionais de classificação de risco que avaliam o grau de investimento dos países.

O encontro também foi organizado para prestar apoio a Levy, que nos últimos dias pareceu fragilizado e na iminência de perder o cargo. Os empresários têm o ministro em alta conta por considerá-lo “profissional com espírito público e profundo conhecimento das contas do governo”, conforme definiu à reportagem um dos participantes do jantar.

O grupo de empresários, que costuma se reunir de maneira informal, mas periódica, para discutir grandes temas nacionais, conta com pesos pesados da economia brasileira. O anfitrião, Beto Sicupira, é sócio de empresas globais, como a cervejaria Anheuser-Busch Inbev, dona da marca Brahma, e a rede fast food Burger King, em parceria com os investidores Jorge Paulo Lemann e Marcel Telles.

Também estavam presentes Edson Bueno, maior controlador da rede de laboratórios Dasa; Jorge Gerdau, da siderúrgica Gerdau; Pedro Passos, fundador e sócio da Natura; Josué Gomes, presidente do grupo têxtil Coteminas; Carlos Jereissati, controlador de redes de shopping center e com importante participação na empresa de telefonia Oi; João Moreira Salles, filho do banqueiro Pedro Moreira Salles, que tem participação no Itaú Unibanco; Mateus Bandeira, presidente da consultoria fundada por Vicente Falconi, além do próprio especialista em gestão.

Agendas

Os empresários defendem duas agendas de reformas fiscais, uma de curto prazo e outra de caráter estrutural, que demanda tempo. No curto prazo, defendem cortes pontuais de gastos, como suspender desonerações e melhorar os desembolsos em áreas sociais, em especial a gestão dos gastos com saúde, qualificados como “uma bagunça” por outro empresário com quem a reportagem conversou.

Levy explicou como estava o andamento do ajuste e que seria necessário aumentar impostos, que não é uma alternativa palatável para o setor empresarial. “Existe um falso dilema em discussão: de que aumentos de impostos podem preservar benefícios sociais no Brasil”, disse um dos empresários. “Mas a verdade é que aumento de impostos penaliza justamente a população com menor poder aquisitivo”, afirmou ele. Para o grupo, aumentos de impostos seria uma alternativa amarga demais no “momento em que a economia está padecendo”.

As ações da agenda de longo prazo ainda exigiriam um estudo mais aprofundado, mas entre os temas que com certeza devem ser incluídos está a reforma da Previdência. “O que precisa ficar claro é que todos nós estamos dispostos a contribuir com propostas e fazer a nossa parte”, comentou o empresário. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s