Engenheiro alerta para cuidados com luzes natalinas

Quando os produtos são utilizados por muitos anos, em especial em áreas externas, sofrem ressecamento, o que eleva o risco de um acidente

Com a chegada da festa de Natal, muitos brasileiros enfeitam as casas com as luzes pisca-pisca.

É preciso, no entanto, tomar alguns cuidados como, por exemplo, com o uso prolongado, que pode provocar aquecimento ou derretimento dos produtos e um curto-circuito.

Segundo o especialista em eficiência energética da Enel Brasil, Marcony Melo, quando os produtos são utilizados por muitos anos, em especial em áreas externas, sofrem ressecamento, o que eleva o risco de um acidente.

A recomendação é que o consumidor substitua os pisca-pisca com luzes incandescentes por luminárias de LED (lâmpadas frias), que aquecem menos e podem significar economia de energia de até 80%.

Outra dica é verificar se os produtos têm selo do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

“Muitas pessoas não atentam para isso [desperdício de energia], ligam os conjuntos de luzes pisca-pisca às 18h e vão desligar às 6h do dia seguinte”, disse o engenheiro da Enel Brasil, controladora das distribuidoras de energia Ampla e Coelce, do Rio de Janeiro e do Ceará.

Economia de energia

Na hora da compra, Marcony Melo orienta o consumidor a identificar a potência das luzes em watts. Quanto maior for a potência, maior é o consumo.

Considerando um conjunto de 100 pisca-piscas com 50 watts de potência, o consumo mensal será 16,5 kilowatts (KW).

Se a luminária permanecer ligada por 11 horas diárias, pode significar um incremento de R$ 12,93 na conta de energia.

A estimativa considera a tarifa residencial adotada pela Ampla no Rio de Janeiro.

“Se você reduz esse tempo de 11 horas para apenas seis horas, já vai ter quase 50% de redução do consumo para cada conjunto de pisca-pisca”.

Melo salientou que se o produto for trocado por outro de tecnologia LED, a economia pode chegar a 80%.

O engenheiro recomenda que o consumidor evite  ligar vários aparelhos em adaptadores de tomadas, conhecidos como benjamins, e dê preferência ao uso de réguas T como forma de evitar acidentes.

Para instalações luminosas em condomínios e praças, por exemplo, é recomendável contratar um profissional habilitado, um técnico, que dimensione corretamente e faça as instalações sem o uso de gambiarras, evitando pontos que possam vir a provocar curto-circuito ou princípio de incêndio.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s