Estudo na Paraíba aprofundará pesquisas sobre microcefalia

Para cada caso de má-formação, serão avaliados outros três da mesma região que não possuem a doença

Brasília – Começa nesta terça-feira, 16, na Paraíba um estudo conduzido em parceria com o Ministério da Saúde e Centro de Controle de Doenças, dos Estados Unidos, para estimar a proporção de bebês com microcefalia associada ao zika, vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti.

A pesquisa deverá avaliar 800 pacientes e terá como ponto de partida a coleta de informações sobre gestantes que tiveram bebês com a má-formação e mães que tiveram bebês sem o problema.

Para cada caso de má-formação, serão avaliados outros três da mesma região que não possuem a doença. 

Com a estratégia, integrantes do estudo pretendem averiguar o risco de infecção pelo vírus e responder uma pergunta que, desde que o aumento de casos foi identificado no Brasil, atormenta especialistas: qual o risco de uma mulher infectada pelo vírus durante a gestação ter um bebê com a má-formação? Quais outros fatores podem estar relacionados com aumento de casos?

A microcefalia é uma síndrome que leva bebês a terem problemas de cognição, de locomoção e audição.

Até o ano passado, era considerada uma doença rara, provocada por problemas genéticos e infecções da mãe durante a gestação, como citomegalovírus, toxoplasmose, herpes, sífilis.

Os casos também estavam associados a alcoolismo da gestante e uso de drogas.

Desde setembro, no entanto, os registros de bebês nascidos com problema aumentaram de forma expressiva, levantando à suspeita de infecção da gestante por zika – o vírus chegou ao Brasil ano passado, provocando, já nos primeiros meses, uma epidemia no Nordeste – justamente a região que, meses depois, começou a apresentar aumento de nascimentos de bebês com a má-formação.

Os integrantes do estudo deverão realizar nas gestantes exames de zika e outras doenças, para tentar verificar quantos casos estão de fato associados ao vírus e quantos a outros fatores, que tradicionalmente já eram conhecidos.

O trabalho deverá ser feito em 50 dias. Paraíba é o segundo Estado com maior número de casos suspeitos de microcefalia no País, atrás de Pernambuco.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s