Executiva do PT ignora José Dirceu em resolução

A Executiva Nacional do PT deixou o ex-ministro fora de resolução, enquanto que o presidente do partido disse apenas que Dirceu tem direito de defesa

Reunida em Brasília nesta terça-feira, a Executiva Nacional do PT deixou o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, preso na véspera, de fora da resolução divulgada após o encontro, enquanto que o presidente do partido, Rui Falcão, limitou-se a afirmar que Dirceu deve ter assegurado seu direito de defesa.

Dirceu, homem forte do governo no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e também ex-presidente do PT, foi preso na segunda-feira acusado de receber propina do esquema bilionário de corrupção na Petrobras, investigado pela operação Lava Jato.

“Qualquer pessoa é inocente até que se prove o contrário. Dirceu é inocente até que se prove o contrário. Ele e todos os outros que foram acusados”, disse Falcão a jornalistas após a reunião, segundo o site do PT.

“Não estamos abandonando nenhum companheiro nosso. Independente de abandonar ou não, toda pessoa acusada tem que ter direito de ampla defesa e contraditória. No Brasil, estão invertendo o princípio”, acrescentou.

A resolução adotada no encontro, por sua vez, sequer citou o nome de Dirceu e do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, também preso acusado de envolvimento nas irregularidades investigadas pela Lava Jato.

O PT nega ter participado de quaisquer irregularidades e afirma que todas as doações financeiras recebidas foram legais.

Em vez de sair em defesa de seus filiados presos, a Executiva do partido criticou o que chamou de tentativa de “criminalizar” o PT.

“Diante das reiteradas manobras para criminalizar o PT, queremos reafirmar nossa orientação de combate implacável à corrupção. O PT é favorável à apuração de quaisquer crimes envolvendo apropriação privada de recursos públicos e eventuais malfeitos em governos, empresas públicas ou privadas, bem como a punição de corruptos e corruptores. Mas não admitimos que isso seja realizado fora dos marcos do Estado Democrático de Direito”, afirma a resolução.

“É um estado de exceção sendo gestado em afronta à Constituição e à democracia. Precisamos nos contrapor às ameaças de criminalizar o PT para destruí-lo.”

A Executiva petista saudou ainda a redução da meta de superávit primário recentemente anunciada pela equipe econômica da presidente Dilma Rousseff, mas voltou a pedir a redução da taxa básica de juros, assim como dos juros cobrados em operações de crédito.

“Finalmente, frente às ameaças golpistas que cercam a democracia brasileira, convocamos uma Jornada em Defesa da Democracia, dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras e das conquistas do nosso povo”, afirmou a Executiva na resolução.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s