Filha de vítima do Carandiru processa SP por memória do pai

Filha de um detento morto no massacre do Carandiru vai processar o Estado pelas declarações do desembargador Ivo Sartori, que disse se tratar de legítima defesa

São Paulo – Filha de um detento morto em 1992 na Casa de Detenção Carandiru, a auxiliar de limpeza Fernanda Vicentina da Silva, de 33 anos, decidiu processar o Estado após as declarações do desembargador Ivan Sartori, que disse ter havido legítima defesa no caso.

Ela entendeu que houve desrespeito à memória do pai, Antônio Quirino da Silva, cuja morte foi causada por cinco tiros, um deles na nuca.

Na ação, pede indenização de R$ 176,8 mil e ainda a veiculação de propaganda pelo governo reconhecendo a responsabilidade pelo massacre. “Esperava que a justiça fosse feita e os policiais fossem punidos dentro do que determina a lei”, disse.

O advogado Carlos Alexandre Klomfahs classificou de absurda a declaração do magistrado. “Foram mortes cruéis em série.” O pedido ainda não foi analisado.

O Tribunal de Justiça disse que, “como instituição, não possui entendimento sobre questões jurisdicionais”. O governo disse não ter sido notificado sobre a ação.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s