Fui convidado a trabalhar pela unidade do PMDB, diz Quintão

Com o partido dividido entre o governo e a oposição, Quintão frisou a necessidade de unificar a legenda em seu mandato

Brasília – O PMDB anunciou nesta quarta-feira, 9 que a liderança do partido na Câmara passou para o deputado Leonardo Quintão (MG).

Após o anúncio, o novo líder falou pouco e deixou que outros parlamentares da ala pró-impeachment colaborassem com o discurso.

Com o partido dividido entre o governo e a oposição, Quintão frisou a necessidade de unificar a legenda em seu mandato.

“Nós vamos conduzir a bancada à unidade”, disse.

Com a discussão do impeachment cada vez mais acalorada, o novo líder preferiu não tomar partido e voltou a falar em unidade.

“Toda a decisão tem que mostrar a maioria do partido, não tenho posição para lado A ou lado B”.

Ele disse ainda que se reunirá às 14h30 com o vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer (SP).

Sobre uma possível aproximação com Dilma Rousseff, o líder se mostrou disposto a conversar caso a presidente o convide, mas que a posição que ele apresentará é a da ala majoritária do PMDB – ou seja, contrária ao governo.

Outro peemedebista, Darcísio Perondi (RS), agradeceu a liderança de Leonardo Picciani (RJ) à frente do PMDB, mas ressaltou que o ex-líder fez uma “ligação direta com a presidente”, e que o partido não considerou o movimento uma “boa política”.

Ele também criticou a falta de compromisso de Picciani com o programa Ponte para o Futuro, prioridade no partido. “A bancada não pode divergir de uma proposta analisada”, disse.

Perondi exaltou o novo líder Quintão e frisou que o Brasil está à “beira do precipício” e precisa de um “homem que aglutina”.

Perguntado sobre uma eventual aproximação do partido com a presidente Dilma, Perondi afirmou que “é difícil conversar com a presidente”.

Ele destacou ainda que, caso Dilma conceda um ministério à bancada, o posicionamento da legenda na Câmara será não aceitar o convite.

A indicação de Quintão representa uma ameaça ao governo. Picciani havia se aproximado do governo e indicado dois nomes para a reforma ministerial de outubro, Celso Pansera (Ciência e Tecnologia) e Marcelo Castro (Saúde).

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s