Para The Guardian, impeachment esfria luta contra corrupção

Jornal britânico afirmou, em editorial, que o impeachment pode resultar no fim do esforço atual contra a corrupção

O jornal britânico The Guardian publicou editorial na noite de segunda-feira, 18, em que alerta que o processo de impeachment em curso no Brasil pode resultar no fim do atual esforço contra a corrupção.

“Muitos temem que a campanha anticorrupção vai desaparecer depois da concentração de fogo final contra Lula”, cita o editorial.

Para o jornal, a situação pode piorar porque “longe de ajudar a resolver a polarização política e social do Brasil, o impeachment tem exacerbado o problema”. O texto faz, ainda, uma dura crítica ao modo que o PT financiou campanhas eleitorais.

Além do possível revés no esforço contra a corrupção, o jornal destaca que eventual governo Michel Temer terá as mesmas dificuldades para superar a crise política e econômica.

“O vice-presidente vai enfrentar os mesmos problemas que derrotaram Dilma Rousseff e suas chances de lidar efetivamente com esses problemas devem ser classificadas como baixas”, diz o editorial, que cita que “é difícil imaginar um cenário mais sombrio para o Brasil”.

O Guardian chama atenção para o “paradoxo” que envolve a acusação contra Dilma Rousseff em País que investiga o grande caso de corrupção na Petrobras. “A presidente não foi implicada no escândalo da Petrobras. Os motivos para o seu impeachment são a manipulação de recursos estatais antes das últimas eleições – não muito mais que delito menor para os padrões brasileiros”, cita o editorial. Por outro lado, “quase todos os envolvidos no impeachment são suspeitos de corrupção, incluindo Eduardo Cunha, o presidente da Câmara”.

O editorial faz, ainda, dura crítica aos procedimentos que o PT usou para financiar as campanhas eleitorais. “O PT, uma vez o partido menos corrupto do país, escolheu resolver os problemas financeiros mergulhando em dinheiro desviado da Petrobras. Seus aliados da coligação e outros partidos se juntaram”, cita.

O Guardian avalia, ainda, que uma série de problemas domésticos e externos levaram o Brasil a atual crise. O Guardian lista a mudança do cenário econômico global, a personalidade da presidente Dilma e a relação disfuncional do Executivo e Legislativo, entre outros motivos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s