Janot suspeita de propina a partidos em fundos

PT e PMDB teriam pago propina a fundos de pensão e no FGTS

Brasília – O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apontou indícios de pagamento de propina ao PT e ao PMDB em fundos de pensão e no FGTS.

As conclusões estão nos autos da Operação Catilinárias, desdobramento da Lava Jato, e é baseada em mensagens de celular trocadas pelo ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro. As ações estariam reproduzindo o mesmo esquema de corrupção das fornecedoras da Petrobras.

“Pelo que se pode inferir das mensagens, há aquisição de debêntures emitidas pelas empresas, que são adquiridas ou por bancos – Caixa Econômica Federal, por meio do FI-FGTS, ou BNDES – ou por fundos de pensões onde há ingerência política”, escreveu Janot.

Empresas do grupo OAS emitiram quase R$ 3 bilhões em títulos desde 2010. O grupo está em recuperação judicial e Pinheiro foi preso em 2014, condenado a 16 anos de prisão, por lavagem de dinheiro, corrupção e integrar organização criminosa.

‘Vantagens indevidas’

De acordo com Janot, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, receberiam vantagens indevidas, inclusive doações oficiais, em troca de operações de capitalização de empresas do grupo OAS.

No caso do presidente da Câmara, a Procuradoria Geral da República (PGR) aponta indícios de que o peemedebista teria intermediado uma operação de venda de R$ 250 milhões em debêntures da OAS para o Fundo de Investimento do FGTS. As mensagens sugerem que Cunha cobrava propina pela atuação.

Como publicou ontem, 8, o jornal Folha de S.Paulo, um aliado de Cunha era responsável por realizar a operação na Caixa Econômica Federal. Em mensagens de celular trocadas em dezembro de 2012, Pinheiro informava Cunha que a OAS ainda não havia recebido o dinheiro pela venda de debêntures e que os R$ 250 milhões só estariam liberados em fevereiro de 2013.

Já em março de 2013, Pinheiro enviou mensagem para o diretor financeiro da OAS, Alexandre Tourinho, questionando se o valor já havia sido liberado. “Oi Alexandre, nós já recebemos aquela debenture ($250MM)? O nosso EC té me cobrando. Abs. Leo”, dizia a mensagem. EC seria Eduardo Cunha, segundo a Procuradoria-Geral da República. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s