Levy está muito enfraquecido, diz MB Associados

"A crise é muito pior que esperávamos, porém será mais rápida do que em outras épocas", disse o economista José Roberto Mendonça de Barros

Una – O economista e sócio da MB Associados, José Roberto Mendonça de Barros, afirmou nesta quinta-feira, 12, que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, “está muito enfraquecido”, após perder “todas as batalhas” do ajuste fiscal.

“O pacote fiscal murchou, nosso ministro da Fazenda está muito enfraquecido, perdeu todas as batalhas e a notícia de troca pelo Henrique Meirelles só ratifica isso”, disse Mendonça de Barros durante o Encontro Nacional das Indústrias de Café, em Una (BA).

Segundo ele, a mudança no comando da Fazenda por Meirelles, por exemplo, não altera a avaliação da MB Associados de que haverá uma mudança no governo, com a saída da presidente Dilma Rousseff (PT) antes do término do atual mandato, em 2018.

“O governo atual não tem como se recuperar. Não conseguimos ver que a situação se mantenha até 2018 e uma mudança deve ocorrer até meados do ano que vem”, avaliou o economista.

Outro fator que pode mudar o governo são as eleições municipais do próximo ano, com uma redução de tamanho do PT para ser um partido pequeno, “de um dígito”, na avaliação da consultoria.

“Com isso, após as eleições municipais, não haverá a candidatura do ex-presidente (Luiz Inácio) Lula (da Silva)”.

Para Mendonça de Barros, a articulação mais provável para a saída da presidente Dilma é o vice-presidente Michel Temer, que comandaria a transição até 2018.

“O documento lançado no mês passado pelo PMDB, o ‘Uma Ponte para o Futuro’ mostra que o partido sabe dessa mudança necessária”.

Segundo Mendonça de Barros, o País vive um momento único, com a conjunção de quatro fatores negativos: cenário externo desafiador, crise política de grande profundidade, crise macroeconômica clássica com todas as variáveis fora de lugar e ainda crise setoriais.

“A última vez com quedas no PIB (Produto Interno Bruto) em dois anos, como ocorrerá em 2015 e 2016, foi após a crise de 1929, com queda em 1930 e 1931”, exemplificou.

No curto prazo, na avaliação do economista, a situação econômica do País deve chegar ao “fundo do poço” entre o fim do primeiro semestre e o começo do segundo semestre de 2016, quando ainda deve ocorrer a perda do grau de investimento.

“A parte boa é que no ano que vem a inflação será menor, e o Banco Central pode baixar até quatro pontos porcentuais de juros, o mercado externo (exportação) seguirá firme e a consolidação em muitos setores”, disse.

“A crise é muito pior que esperávamos, porém será mais rápida do que em outras épocas”, concluiu.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s