Mercadante promete lutar por mais recursos para educação

Novo ministro da Educação recebeu lideranças do movimento estudantil e se comprometeu em lutar por mais investimentos no setor

Brasília – O ministro Aloizio Mercadante, da Educação, recebeu hoje (6) lideranças do movimento estudantil, reunidas em Brasília em caravana promovida pela União Nacional dos Estudantes  (UNE) contra o ajuste fiscal e os recentes cortes nas áreas sociais do país, em especial na educação.

De acordo com Carina Vitral, presidente da UNE, o ministro se comprometeu em lutar por mais investimentos na educação, trabalhar pela consolidação das universidades públicas, com foco na conclusão das obras e implementação dos bandejões, além de criar uma comissão para discutir o fim das aulas de ensino a distância em cursos presenciais.

“Como alternativa para os cortes (em 2015, a educação teve contingenciados R$ 10,6 bilhões), o ministro afirmou que existem inciativas para taxação de grandes fortunas, por exemplo, de modo a evitar cortes na educação”, acrescentou Carina.

A caravana, que contou com lideranças de todo o país, se reuniu hoje de manhã em frente à Biblioteca Nacional de Brasília.

Os estudantes disseram acreditar que, com Aloizio Mercadante à frente do Ministério da Educação, o ajuste fiscal no setor seja revertido e os investimentos ampliados.

“A gente não acha que a educação seja alvo de cortes para o ajuste fiscal. A educação é que alavanca o desenvolvimento e dá oportunidade para os jovens”, informou Carina antes do encontro com o ministro.

Para Bárbara Melo, presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), “muita gente que chegou a um instituto federal não consegue continuar por falta de bandejão para comer, de política de passe livre estudantil e de laboratórios decentes. É um desperdício colocar um jovem numa escola técnica e não ter estrutura suficiente para que ele se torne um bom profissional. O corte não é a melhor saída para a crise. Só prejudica os estudantes”.

Os estudantes também estão se manifestando contra o Projeto de Lei 131/2015, do senador José Serra (PSDB-SP). A ementa do projeto estabelece a participação mínima da Petrobras no consórcio de exploração do pré-sal.

De acordo com Jessy Dayane, diretora de Politicas Educacionais da UNE, a caravana é contra o projeto porque, em 2013, metade do fundo social do pré-sal foi destinada às áreas sociais: 75% para a educação e 25% para saúde. “Se esse projeto for aprovado, ameaça a conquista que garante mais verbas a longo prazo pra educação no Brasil.”

Segundo a Consultoria Legislativa do Senado, o projeto em discussão na Casa não altera a destinação de recursos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s