Mulheres falam no Twitter sobre 1ª vez que sofreram assédio

Caso de assédio sexual a uma participante do MasterChef Júnior ganhou as redes sociais e fez com que coletivo feminista fizesse a hashtag #primeiroassédio

São Paulo – A estreia do programa MasterChef Júnior na última terça-feira (20), que reúne crianças de 9 a 13 anos cozinhando “que nem gente grande” não ficou marcada pelo talento dos participantes, mas sim, pelos comentários com teor sexual direcionados a Valentina, uma das participantes do reality, de apenas 12 anos.

Durante o programa, comentários como “se tiver consentimento é pedofilia?”, “com doze anos ela vai virar secretaria de filme pornô”, “a culpa da pedofilia é dessa molecada gostosa”, “essa Valentina fazendo esses pratos: que vagabunda!” foram feitos no Twitter, em sua maioria, por homens, direcionados à participante.

No texto “quando uma menina de 12 anos no MasterChef Jr desperta o desejo de homens adultos precisamos falar sobre a cultura do estupro”, publicado no Brasil Post, a jornalista Carol Patrocínio levantou o enorme problema desta questão:

“É importante falar sobre a cultura do estupro. Ela anda nas entrelinhas de muitos discursos. Ela caminha ao lado da ideia de que homens não conseguem conter seus instintos. Ela está totalmente ligada ao falso consenso que poderia dar uma criança. Ela é reforçada pela infantilização de mulheres adultas. A impunidade é sua melhor amiga e a culpabilização da vítima sua principal arma.”

Assim que o caso ganhou as redes sociais, o coletivo feminista Think Olga, que luta contra o assédio em espaços públicos e outros tipos de violência contra a mulher, lançou a hashtag #primeiroassédio no Twitter, incentivando mulheres a contar quando foi a primeira vez que foram assediadas – e expor um problema que é tão enraizado, que é entendido como “brincadeira” ou “normal”.


Para mostrar que o assédio é algo que deve ser punido – é fundamental não silenciar. As mulheres se sentem intimidadas e, para se preservar de julgamentos, sofrem em silêncio por uma violência que deixa marcas para a vida toda.

Situações de meninas que, aos 7, 8, 9, 10 anos já foram submetidas a situações de violência, assédio e machismo foram compartilhadas na #primeiroassédio.

Abaixo estão 16 histórias compartilhadas por mulheres no Twitter. Até a manhã desta quinta-feira (22), cerca de 2,5 mil tweets mencionaram a hashtag.

Atenção: as histórias abaixo podem ser gatilho para sensações desagradáveis.

No Twitter, as mulheres continuam compartilhando histórias sobre a primeira vez que foram assediadas: 9, 10, 11, 12 anos e já são marcadas pela violência sexual.

Você viveu algo parecido? Divida a sua história com a hashtag criada pelo Think Olga e não silencie este tipo de violência: ‪#‎PrimeiroAssedio‬.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s