Negra Li rebate mensagens racistas em redes sociais

"Tenho muito orgulho da minha trajetória e de tudo que sou e represento, por isso não me abalo e não deixo que situações assim tirem a minha paz" diz a cantora

Quem escolhe Negra como o primeiro nome artístico sabe muito bem aquilo que representa no cenário cultural do país.

Apesar da autoconfiança e empoderamento, a cantora e compositora Negra Li não deixa de ser alvo de mensagens racistas nas redes sociais. Nesta segunda-feira (4) ela teve o seu site hackeado pela primeira vez – o conteúdo da página foi substituído por uma foto de um macaco.

A artista, apesar de lamentar o incidente, prefere ignorar tais discursos de ódio. Em sua página do Facebook ela comentou o ocorrido:

“É inacreditável que, em pleno momento em que vivemos, ainda existam pessoas com um pensamento tão limitado, com disposição e energia para promover o ódio e a ignorância. Tenho muito orgulho da minha trajetória e de tudo que sou e represento, por isso não me abalo e não deixo que situações como essa tirem a minha paz.”

O site foi retirado do ar para uma análise completa da invasão. No post do Facebook, os fãs não economizaram em mensagens de apoio à artista.

https://www.facebook.com/plugins/comment_embed.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fnegralibrasil%2Fposts%2F1156760377727875%3Fcomment_id%3D1156762864394293&include_parent=false https://www.facebook.com/plugins/comment_embed.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fnegralibrasil%2Fposts%2F1156760377727875%3Fcomment_id%3D1156771461060100&include_parent=false

Mas infelizmente o ataque à Negra Li não é o primeiro. Outras mulheres famosas também já sofreram com a agressão. Maju Coutinho, a garota do tempo do Jornal Nacional, foi alvo de comentários racistas nas redes sociais da TV Globo. Mensagens extremamente pejorativas foram direcionadas à jornalista. “Só conseguiu emprego no JN por causa das cotas preta imunda”, dizia uma delas.

O caso de Maju repercutiu e chegou a ser investigado pelo Ministério Público de São Paulo. O objetivo era identificar os autores e de onde vinham as mensagens preconceituosas.

A jornalista recebeu o apoio de sua equipe e uma hashtag foi criada, a #SomosTodosMajuCoutinho. Em entrevista ao Jornal Extra, ela afirmou não gastar energia com esse tipo de agressão:

“Não me abalo. Acho triste, mas sou muito consciente. Cresci numa família que militou no movimento negro. Não perco muito tempo com isso.”
A atriz Taís Araújo também já foi alvo de comentários nas redes após a atualização de sua foto de perfil – algumas das mensagens debochavam da cor da pele da atriz, faziam piada com o cabelo dela e chegaram até a chamá-la de “macaca” e mandaram ela “voltar para a senzala”.

Em resposta aos ataques, a atriz se posicionou:

“Faço questão que todos sintam o mesmo que senti: a vergonha de ainda ter gente covarde e pequena nesse país, além do sentimento de pena dessa gente tão pobre de espírito. Não vou me intimidar, tampouco abaixar a cabeça. Sigo o que sei fazer de melhor: trabalhar […] Minha única resposta pra isso é o amor!”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s