Operação da PF faz chover dinheiro em Pernambuco

A situação inusitada foi filmada por agentes da PF que cumprem ordens judiciais em Pernambuco, Piauí, Paraíba, Minas e São Paulo - ao todo, 59 mandados

São Paulo – Durante buscas realizadas na Operação Pulso em um prédio em Pernambuco nesta quarta-feira, 9, o alvo da Polícia Federal arremessou dinheiro vivo pela janela de um prédio.

Os maços de notas caíram na rua e na calçada do prédio. A situação inusitada foi filmada por agentes da PF que cumprem ordens judiciais em Pernambuco, Piauí, Paraíba, Minas e São Paulo – ao todo, 59 mandados, inclusive dois de prisão temporária.

Um dos alvos da PF é Mozart Sales, ex-secretário de Gestão do Trabalho e da Educação no Ministério da Saúde (2012/2014) e ex-diretor da Hemobrás (Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia.

A Pasta, na ocasião, era comandada por Alexandre Padilha, hoje secretário do governo Fernando Haddad em São Paulo.

Durante a gestão de Mozart Sales, foi criado o programa Mais Médicos, principal aposta do governo Dilma Rousseff na área de Saúde.

A operação tem como objetivo reprimir a atuação de uma organização criminosa especializada em direcionar licitações e desviar recursos públicos da Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás), em Pernambuco.

A PF informou que foi autorizado ainda o afastamento de 3 integrantes da Hemobrás, sendo dois membros da sua Diretoria.

Foram mobilizados 170 policiais federais para cumprir as medidas previstas nesta fase, que recai sobre ilícitos em diversos licitações e contratos de logística de plasma e hemoderivados, bem como na própria obra de construção da fábrica em Goiana, Pernambuco.

A Hemobrás tem a missão de alcançar autonomia tecnológica na produção de medicamentos derivados do sangue necessários para abastecimento de pacientes da rede pública de saúde brasileira.

Durante a operação, segundo a PF, percebeu-se que inúmeras amostras de sangue coletado que deveria ser transformado em medicamentos contra a hemofilia e outras doenças deixaram de ser fabricados em virtude de ter sido armazenado de forma inadequada tornando-se inapropriado para a produção dos medicamentos.

Os delitos investigados são peculato, corrupção passiva e ativa, fraude à Lei de Licitações, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s