Optei por não retardar Lava Jato devido à eleição, diz Moro

Juiz explicou que a própria Constituição brasileira prevê a publicidade de ações judiciais envolvendo crimes contra a administração pública

São Paulo – O juiz Sérgio Moro, responsável pelo julgamento das ações da Lava Jato, disse nesta segunda-feira, 23, que optou não retardar o andamento do processo das investigações durante o período eleitoral do ano passado, embora tenha sido criticado por isso.

“Eu não vou retardar o andamento do processo por causa de uma eleição. Durante o período eleitoral, tanto mais se justifica ter o pleno acesso às informações”, explicou, durante o Fórum da Associação Nacional de Editores de Revistas, na capital paulista. 

“A democracia e a liberdade demanda que as coisas públicas sejam tratadas em público”, afirmou o magistrado.

Moro explicou que a própria Constituição brasileira prevê a publicidade de ações judiciais envolvendo crimes contra a administração pública, como é o caso dos crimes envolvendo a Petrobras investigados na Lava Jato desde o ano passado.

Moro disse ainda que os jornalistas têm contribuído para as investigações, muitas vezes lançando informações em primeira mão que são o pontapé inicial para a investigação da Polícia Federal ou do Ministério Público.

“Os jornalistas podem chegar primeiro a uma informação que talvez a polícia demorasse mais para chegar ou talvez não chegasse”, disse.

O juiz se disse fã da proteção que se dá à liberdade de imprensa nos Estados Unidos e afirmou que o Brasil caminha para chegar ao nível norte-americano. “Informação é poder. Quanto mais você tem informação, mais você pulveriza o poder”, declarou.

“Tem uma frase de um juiz americano da qual eu gosto muito: o livre intercâmbio das ideias é o meio de alcançar o bem maior”, disse.

Moro lamentou não ter percebido nenhuma melhora nas instituições brasileiras a partir das investigações da operação.

“Fiquei muito decepcionado, pois, apesar das revelações da Operação Lava Jato, não assisti a uma resposta das instituições, como o Congresso e o governo. Não tivemos respostas”, afirmou.

“A Lava Jato não vai resolver os problemas de corrupção, não serei eu, não será a ação penal 470 (mensalão), seremos o que nós, cidadãos, vamos fazer a partir de agora. Precisamos de uma melhora nas instituições, e eu não vejo isso acontecendo de maneira nenhuma”, criticou o magistrado.

Ele disse em seguida que tem visto um “deserto” nas iniciativas gerais contra a corrupção. “A Lava Jato tem uma única voz pregando nesse deserto”, afirmou.

Para Moro, a corrupção no Brasil é sistêmica e tem atuado em várias esferas do poder. “Se você imaginar que tudo o que os delatores estão dizendo é verdade, o quadro é preocupante”, afirmou.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s