Pezão defende CPMF se compartilhada com Estados e municípios

"Vamos defender a CPMF se ela for compartilhada com Estados e municípios, estamos propondo elevar para 0,38", afirmou o governador do Rio de Janeiro

Brasília – Com a esperança de conseguir alguma receita com a CPMF, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), afirmou que os Estados estão propondo que a alíquota passe para 0,38%.

Ainda de acordo com ele, os governadores só apoiarão a CPMF se ela for dividida com os outros entes federativos.

“Vamos defender a CPMF se ela for compartilhada com Estados e municípios, estamos propondo elevar para 0,38”, afirmou.

Pezão disse ainda que irá procurar o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para pedir apoio para a aprovação do imposto, que será destinado à Previdência Social. “A CPMF ajuda os aposentados de todo o Brasil”, frisou.

Fazendo um esforço para ajudar na aprovação do imposto, Pezão disse ainda que o governador do Alagoas, Renan Filho (PMDB-AL), irá procurar seu pai, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para buscar apoio. “

Estamos fazendo um trabalho, cada governador com a sua região”, afirmou.

O governador lembrou que o déficit previdenciário dos Estados previsto neste ano é de R$ 112 bilhões. Já para o Rio de Janeiro, a previsão é de que as contas da Previdência terminem deficitárias em R$ 10 bilhões no próximo ano.

“Vamos mostrar nossos números para verem que precisamos ter uma fonte, precisamos de esforço para a previdência pública”, destacou.

Para Pezão, os Estados não têm como gerar receita todo ano. O governador disse ainda que o governo tem outras opções, mas preferiu não entrar em detalhes e voltou a destacar a CPMF, proposta esta semana pela equipe econômica.

Consciente das dificuldades de aprovação do novo imposto, Pezão afirmou que “quase todo mundo é favorável à CPMF”.

O governador citou o seu colega de Goiás, Marconi Perillo (PSDB-GO). “Acabei de falar com o Perillo e ele demonstrou apoio”, afirmou.

O governador procurou mostrar os esforços que o Rio de Janeiro vem fazendo para melhorar a situação fiscal do Estado.

“Voltamos ao custeio de 2012, a Petrobras paralisada é um baque forte para o Estado e estamos atravessando”, disse.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s