Ex-senador Argello recebeu mais de R$ 5 milhões em propina

Nesta etapa, a PF investiga irregularidades na CPI e na CPMI da Petrobras. O ex-senador Gim Argello (PTB-DF) foi preso preventivamente.

São Paulo – A 28ª etapa da Operação Lava Jato, deflagrada na manhã desta terça-feira (12), revela que empresas envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras pagaram propina ao ex-senador Gim Argello (PTB-DF) para que ele evitasse a convocação de empreiteiros para prestarem depoimentos na CPI da estatal, que apurava crimes cometidos na empresa. 

Em nota, o Ministério Público Federal (MPF) diz que há evidências de que Argello recebeu ao menos R$ 5 milhões da empreiteira UTC Engenharia e R$ 350 mil da OAS – ambas investigadas em outras fases da Lava Jato. 

Gim Argello (PTB-DF) teria doado parte do dinheiro a quatro partidos de sua coligação:

Democratas (DEM) – R$ 1,7 milhão

Partido da República (PR) – R$ 1 milhão

Partido da Mobilização Nacional (PMN) – R$ 1,15 milhão

 Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB) – R$ 1,15 milhão.

“Não há indícios de que os partidos tinham conhecimento da origem ilícita das doações”, afirma o procurador Athayde Ribeiro Costa.

Vale lembrar que o ex-parlamentar, preso preventivamente na manhã de hoje pelos agentes federais, foi vice-presidente da Comissão Parlamentar Mista (CPMI), instaurada no Congresso Nacional em 2014. 

De acordo com os procuradores, no mesmo dia em que a Comissão foi instalada no Senado (14 de maio de 2014), representantes da OAS já se movimentavam para fazer o pagamento de propina.

“A conclusão que nós chegamos é de que o sistema político partidário no país está apodrecido pelo abuso do poder econômico”, diz o procurador Carlos Fernando Lima. 

A PF cumpriu outras 22 ordens judiciais nos municípios de São Paulo, Rio de Janeiro, Taguatinga e Brasília 

Foram presos temporariamente Paulo Cesar Roxo e Valério Neves Campos. Já Jorge Argello Júnior (filho do ex-senador), Roberto Zardi, Gustavo Rocha, Dilson de Cerqueira Paiva Filho e Marcos Ramalho foram alvos de condução coercitiva.

Batizada de Vitória de Pirro, o nome da operação remete a expressão histórica que representa uma Vitória obtida mediante alto custo, popularmente adotada para Vitórias consideradas inúteis. 

Veja os detalhes na coletiva de imprensa da 28º fase da operação.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s