PM usa bombas para dispersar público na Vila Madalena

Ação aconteceu antes mesmo do Carnaval de rua começar oficialmente em São Paulo; governo do Estado nãos e pronunciou sobre o assunto.

São Paulo – A Polícia Militar usou bombas de efeito moral para dispersar o público da Vila Madalena, na madrugada deste sábado, 30, antes mesmo de o carnaval de rua oficial começar em São Paulo. A confusão começou por volta de 2 horas, se espalhou pelas Ruas Belmiro Braga, Horácio Lane e Inácio Pereira da Rocha e terminou às 3 horas. O público era formado principalmente por jovens.

“A gente escutou barulho de bomba, e o dono e a dona do bar onde estávamos na Rua Horácio Lane subiram na laje e pediram para a gente descer para evitar o efeito das bombas. Estava tudo bem. Não tinha fumaça”, contou o psicólogo Kauê Freitas, de 26 anos. Eles temiam bombas de gás lacrimogêneo.

Os policiais enfileirados formaram bloqueios nas ruas do bairro para impedir que os frequentadores voltassem para a região onde ficam concentrados bares, como as Ruas Aspicuelta, Fidalga e Wisard. Freitas relata que em um posto de combustíveis na Rua Inácio Pereira da Rocha havia uma fileira de motocicletas da Rocam. “A rua foi esvaziada totalmente”, disse.

A estudante de Fotografia Martha Salomão de Moraes, de 20 anos, contou que um bloqueio formado por PMs na Rua Aspicuelta com a Fradique Coutinho complicou a volta para casa, a poucas quadras da Vila Madalena, em Pinheiros. “Os policiais começaram a avisar que teria toque de recolher, começaram a fechar as ruas. Meu amigo mora na Rua Fradique Coutinho e não conseguíamos chegar até a casa dele”, contou.

Segundo a jovem, por volta de 0h30, a PM impedia o deslocamento com garrafas. “Os policiais começaram a barrar todo mundo e não tinha por onde sair. A única saída era apenas no sentido da Rua Teodoro Sampaio. Não tinha como volta para a Vila”, disse Martha. “Os policiais foram tranquilos, mas não deixavam passar de jeito nenhum.”

Um morador da Vila Madalena, que não quis se identificar, apoiou a ação da Polícia Militar. “A PM tem de agir. Não tem outro jeito. Caso contrário, o pessoal não vai embora”, afirmou. “Tudo isso aconteceu sem que o carnaval tivesse começado de fato, o que nos preocupa muito.”

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) foi procurada pela reportagem às 10h57 deste sábado (30) e ate as 14h20 não havia respondido quantos policiais participaram da operação, quantas bombas de efeito moral foram usadas nem se foi registrada alguma ocorrência na região.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s