Impeachment: PMDB e PT aumentam pressão sobre indecisos

Aliados de Temer minimizam a estratégia de Dilma de comparecer ao julgamento final para constranger antigos aliados

Brasília – A dois dias do início do julgamento da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), o PMDB e PT já atuam de maneira mais incisiva em relação aos indecisos. Aliados do presidente interino, Michel Temer (PMDB), e de Dilma aumentaram a pressão sobre os senadores que ainda não sinalizaram como votarão na última etapa do impeachment. As articulações estão a todo vapor.

A EXAME.com, um dos principais nomes do núcleo duro do governo Temer afirmou que pelo menos três parlamentares estão na mira da base aliada. “O julgamento começa na quinta-feira, mas já estamos negociando com firmeza para garantir pelo menos 62 votos a favor do impeachment de Dilma”, afirmou.

Na primeira votação do Senado, 55 parlamentares votaram a favor do impeachment de Dilma. Na sessão de pronúncia, 59 se decidiram pela continuidade do processo. O objetivo é ampliar ainda mais a margem de votos favoráveis ao afastamento definitivo da petista no julgamento final.

Aliados de Temer minimizam a estratégia de Dilma de comparecer ao julgamento final para constranger antigos aliados. Para eles, o afastamento da presidente já está consumado.

Os senadores Otto Alencar (PSD-BA), Roberto Muniz (PP-BA) e Elmano Férrer (PTB-PI) estão na mira dos peemedebistas. Nas votações anteriores, eles votaram contra o processo de impedimento. Interlocutores do presidente interino avaliam que os três, porém, vêm demonstrando certa sintonia com o governo Temer nas últimas semanas.

O posicionamento do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ainda é um mistério. O peemedebista, que não votou em nenhuma das fases anteriores do processo, tem dito que está “em pleno processo de decisão”. A mudança de postura dos últimos dias aumentou as esperanças do Planalto.

Os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), José Pimentel (PT-CE), Kátia Abreu (PMDB-TO) e Roberto Requião (PMDB-PR) têm sido os principais articuladores da presidente afastada no Senado.

Os aliados de Dilma tentam disfarçar, mas demonstram desânimo sobre o desfecho do processo. Ainda assim, mantêm a expectativa de conquistar o voto de mais algum indeciso. A bola da vez é o senador Acir Gurgacz (PDT-RO).

Após ter votado a favor do impeachment na sessão de pronúncia, desobedecendo a orientação de seu partido, o parlamentar já disse em mais de uma oportunidade que aguardará a fala de Dilma no plenário para decidir como votará no julgamento. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s