Presidente do TSE critica avaliação do PSDB sobre sistema

As considerações do partido foram divulgadas na quarta-feira, 4, e integram o relatório da auditoria realizada pela legenda nas urnas eletrônicas

Brasília – O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Dias Toffoli, criticou, nesta quinta-feira, 5, a acusação do PSDB sobre o acesso às informações referentes às eleições presidenciais de 2014.

As considerações do partido foram divulgadas na quarta-feira, 4, e integram o relatório da auditoria realizada pela legenda nas urnas eletrônicas.

De acordo com Toffoli, o Tribunal realiza audiências públicas para permitir que os partidos políticos acompanhem o desenvolvimento dos sistemas das urnas eletrônicas seis meses antes do pleito.

“No ano passado, nenhum partido compareceu a essas audiências”, lembrou o presidente do Tribunal.

Os ministros da Corte endossaram a posição do presidente. Segundo o ministro Gilmar Mendes, o relatório confirmou o que o Tribunal já defendia: que as suspeitas não correspondem com a verdade e que partem de “lendas urbanas”, e recomendou que o TSE estimule a realização de mais auditorias como esta.

“A Justiça Eleitoral precisa tomar essa tarefa para si. Não para evitar a boataria, mas pelo menos para contribuir com o esclarecimento”, defendeu.

O ministro Herman Benjamin afirmou que as suspeitas levantadas pelo partido partem de boatos plantados por “fofoqueiros da internet”.

“A questão aqui não é dos fofoqueiros da internet. Eles não têm a credibilidade dos partidos políticos”, argumentou. O ministro fez ainda um apelo às legendas partidárias para que elas não alimentem os boatos e zelem pela instituição da Justiça Eleitoral.

Apesar das críticas, Toffoli elogiou a iniciativa. “O relatório foi extremamente positivo. As propostas apresentadas vão ser avaliadas oportunamente pelo TSE, sendo que algumas já estão sendo implementadas”.

Auditoria

De acordo com o relatório da auditoria do PSDB, não foi possível analisar a lisura do processo eleitoral porque o sistema é impossível de ser auditado. De acordo com o partido, o TSE se recusou a disponibilizar dados eleitorais “essenciais para a auditoria” sob o argumento de que eles eram sigilosos.

O relatório apresentado pelo partido faz ainda dez recomendações às autoridades do Tribunal para atualizar o sistema e, entre elas, indica a imediata implantação do voto impresso.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s