Protestos contra Temer marcam dia da Independência do Brasil

Em meio a vaias e gritos de "Fora Temer!", assim como de aplausos e palavras de ordem favoráveis, Temer inaugurou a celebração nacional

O Brasil celebra nesta quarta-feira o dia de sua Independência em meio a protestos contra o presidente conservador Michel Temer e seus rígidos planos de ajuste econômico, após o impeachment de Dilma Rousseff.

Em meio a vaias e gritos de “Fora Temer!”, assim como de aplausos e palavras de ordem favoráveis, Temer inaugurou a celebração nacional ao lado da esposa, Marcela Temer, e vários ministros em Brasília.

Em seu primeiro grande ato público desde que assumiu a presidência na semana passada, Temer não desfilou no Rolls Royce conversível dos anos 50 – como manda a tradição desta data – nem vestiu a faixa presidencial acima do terno.

A poucos metros do desfile cívico-militar, na principal avenida da capital brasileira, cerca de 2.700 manifestantes, segundo a polícia, marcharam para o Congresso gritando frases contra o governo, acusado de promover retrocessos sociais.

Em São Paulo, onde a polícia não costuma informar o número de manifestantes, vários grupos marcharam pelo centro da cidade gritando mensagens de teores similares. De acordo com os organizadores, a convocatória reuniu 10.000 pessoas perto do meio-dia. Em Belo Horizonte, os movimentos que convocaram o protesto informaram da adesão de aproximadamente 30.000 pessoas.

“Grito dos excluídos”

Os protestos se juntaram neste ano à tradicional manifestação popular denominada “Grito dos excluídos”, que desde 1995 utiliza o Dia da Independência para reivindicar direitos sociais.

No Rio de Janeiro, milhares de manifestantes se reuniram no centro da cidade. Pelo menos um manifestante -fantasiado de Homem-Aranha- foi detido, constatou um jornalista da AFP.

“Não sairemos das ruas”, advertiu a socióloga Tassia Carvalho, de 29 anos. “Quando houver a perda de direitos anunciada por Temer, com o corte dos direitos sociais, outras categorias se unirão aos protestos”, afirmou no Rio a manifestante Marília Palmeira, de 31 anos.

Desde o impeachment de Dilma Rousseff, no dia 31 de agosto, os protestos se multiplicaram em várias capitais de estados do país, e em algumas ocasiões acabaram em distúrbios.

A atuação violenta da polícia no Rio e em São Paulo foi objeto de críticas, e o Ministério anunciou que “investigará as denúncias” de abusos cometidos pelos agentes.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s