Resolução que limita dívida da União deve passar no Senado

A resolução teve sua apreciação adiada na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) por intervenção de parlamentares governistas, que reclamam do texto

São Paulo – O senador José Serra (PSDB-SP) se disse otimista com relação à aprovação de resolução no Senado, da qual é relator, que estabelece limites para endividamento líquido e bruto da União nos próximos 15 anos.

“Ela deve passar, a maioria do plenário é a favor”, disse, ao deixar um evento na capital paulista.

A resolução teve sua apreciação adiada na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) por intervenção de parlamentares governistas, que reclamam do texto.

O líder do governo na Casa, Delcídio Amaral (PT-MS), marcou audiências públicas que atrasaram a votação em mais de duas semanas.

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) chegou a chamar a proposta de “golpe fiscal”.

Serra minimizou os atrasos dizendo que as negociações fazem parte do jogo político.

“É o contrário do golpe fiscal, é uma medida sábia do ponto de vista fiscal. O pessoal não leu o projeto”, defendeu.

Depois dos adiamentos e pedidos de novas audiências, o projeto tem previsão de ser votado na CAE no próximo dia 24.

O texto da resolução propõe limitar a dívida bruta da União a 4,4 vezes a receita corrente líquida (RCL) e a dívida líquida a 2,2 vezes a RCL, com um prazo de 15 anos para o alcance dessas metas.

Até lá, vigoraria uma regra de transição. Nos primeiros cinco, a dívida bruta poderia chegar a 7,1 vezes a RCL e a líquida, a 3,8. Entre o 6º e o 15º ano, a proposta estabelece uma fórmula de redução gradual.

A resolução chegou a ser aprovada na CAE em 2007 – teve origem ainda no governo Fernando Henrique Cardoso -, mas sua tramitação não andou.

Neste ano, José Serra desenterrou a resolução e introduziu uma subemenda incluindo a limitação para dívida bruta, já que o projeto original falava apenas de limitar a dívida líquida.

O relatório de Serra foi aprovado em 23 de setembro na Comissão de Desenvolvimento Nacional.

Por ser uma resolução do Senado, só precisa ser aprovada pela CAE e pelo plenário da Casa, sem estar sujeita a veto presidencial.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s