Saída de Padilha alerta Planalto sobre aliança com PMDB

O pedido de demissão do ministro da Secretaria de Aviação Civil, próximo de Michel Temer, pegou de surpresa o governo e acendeu um alerta sobre a aliança

Brasília – O pedido de demissão do ministro da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha – um dos peemedebistas mais próximos do vice-presidente Michel Temer – pegou de surpresa o Palácio do Planalto e acendeu um alerta de que a aliança com o PMDB, em um momento que a presidente Dilma Rousseff mais precisa, possa estar fraquejando, disseram à Reuters fontes do governo.

Padilha protocolou na noite de quinta-feira sua carta de demissão na Presidência da República depois de tentar, e não conseguir, ser recebido pelo ministro da Casa Civil, Jaques Wagner. Ainda na quarta-feira, o comunicou a outros peemedebistas que iria sair do governo.

A gota d’água teria sido a decisão da presidente Dilma de mandar retirar do Senado a indicação feita por Padilha de Juliano Noman para uma diretoria da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A nomeação teria sido feita com o aval da presidente, e a volta atrás incomodou o ministro. No entanto, peemedebistas próximos a Padilha confirmam que a descortesia foi apenas uma desculpa.

“Ele estava se sentindo incomodado e constrangido pela forma que o governo estava tratando a questão do impeachment”, disse à Reuters um ex-ministro peemedebista. Padilha fez parte da reunião de coordenação política ampliada, chamada pela presidente na quinta-feira. O tom do encontro foi de cobrança para que os ministros saíssem a campo em defesa absoluta do governo. O ministro teria se sentido incomodado. Fiel a Michel Temer, que tem mantido uma distância protocolar da presidente, Padilha não se sentia confortável para defender, mas nem livre para criticar o governo, revelou a fonte.

A posição oficial do governo é que não há risco de um desembarque em massa do PMDB do governo e que os demais ministros mostraram fidelidade à Dilma, mas há sim o temor de que outros sigam o caminho de Padilha, disse uma fonte palaciana.

O ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves –outro considerado da cota de Temer no governo– poderia ser a segunda baixa. Setores do PMDB pressionam Alves a deixar o cargo, mas ele resiste, contou uma fonte do partido. O ministro foi um dos que mais brigaram para permanecer no governo na última reforma ministerial, arrebanhando apoios na bancada do PMDB e entre o grupo de Michel Temer para forçar sua permanência, e não estaria disposto a sair por enquanto. “Vamos ver quanto tempo ele resiste”, comentou a fonte.

ATO ISOLADO

Na avaliação do líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani, a demissão de Padilha foi um ato de cunho pessoal e não afeta todos os ministros do partido. Picciani tem na sua conta duas indicações, Celso Pansera, da Ciência e Tecnologia e Marcelo Castro, da Saúde.

“Os ministros estão 100 por cento com o governo. Não existe nenhuma possibilidade de pedirem demissão”, disse Picciani, referindo-se a Castro e Pansera. Em entrevista à Reuters, o ministro da Saúde afirmou que o PMDB está com o governo e vai atuar alinhado na defesa da presidente na comissão especial que analisará o processo  de impeachment na Câmara.  

“O PMDB não é um partido golpista. A história do partido é em defesa da democracia, lutou pelas Diretas, pelo estado democrático de direito, essa é a marca do PMDB”, disse Castro.

Nesta sexta-feira, Padilha foi para Porto Alegre sem agenda oficial. O ministro não atendeu a ligações da Reuters e evitou eventos públicos. Por meio da sua assessoria, afirmou que só falaria no assunto depois de conversar com a presidente, na segunda-feira, mas não negou as informações de que estaria saindo do governo.

Durante a tarde, Dilma reuniu no Palácio da Alvorada Jaques Wagner, o ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, e o da Justiça, José Eduardo Cardozo, para avaliar a situação do governo frente ao processo de impeachment. Na pauta entrou também a saída de Padilha, mas assessores palacianos informaram à Reuters que o governo ainda não tinha recebido nada formal do ministro.  

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s