Sem citar Dirceu, FHC exalta combate à corrupção

O ex-presidente exaltou a chegada ao poder de movimentos sociais na Espanha, mas disse que no Brasil os partidos ainda não conseguiram entender esse fenômeno

São Paulo – Poucas horas depois da divulgação da prisão do ex-ministro José Dirceu, na 17º fase da Operação Lava Jato, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso fez um discurso para estudantes exaltando as “instituições” que estão combatendo a corrupção.

“As instituições começam a funcionar de uma maneira mais eficiente. Não obstante ao volume de corrupção, que é brutal, alguns responsáveis estão na cadeia, os tribunais começam a funcionar e a polícia começa a prender quem antes não era preso. Os procuradores acusam e a imprensa divulga”, disse FHC ao estudantes da primeira turma da Escola Superior de Propaganda e Marketing, na manhã desta segunda, 3.

“A democracia está trabalhando e as instituições estão começando a fazer contrapeso à cultura brasileira, que é de arbítrio”, concluiu o tucano.

Eleito em 1994 e reeleito em 1998, Fernando Henrique Cardoso lembrou aos estudantes que foi o “primeiro presidente eleito que não caiu” e fez críticas à atual presidente, Dilma Rousseff.

O ex-presidente exaltou a chegada ao poder de movimentos sociais na Espanha, mas disse que no Brasil os partidos ainda não conseguiram entender esse fenômeno.

Ao deixar o teatro em São Paulo onde deu palestra a estudantes universitários, o ex-presidente foi questionado por jornalistas sobre a prisão do ex-ministro. Sem parar para entrevista, FHC respondeu, com ironia: “eu nem estava sabendo”.

Lei de conteúdo nacional

Falando a estudantes sobre a necessidade de o País conectar sua produção à produção global, FHC criticou o governo Dilma e a Lei de Conteúdo Nacional para a exploração de petróleo. O tucano disse que a presidente implanta política como se País estivesse “nos anos 30” ou “nos anos 70, como (Ernesto) Geisel”.

“É bom ter indústria nacional, mas não adianta forçar. Só pode produzir petróleo se tiver 65% feito aqui. Como não tem condições, o governo começa a emprestar dinheiro, começam empresas fictícias que não conseguem qualidade, atrasa tudo e não funciona.”

Ainda durante sua palestra, Ferrnando Henrique Cardoso se classificou como “um otimista, mas não ingênuo”. FHC ressaltou a evolução de dados socioeconômicos do País durante suas mais de oito décadas de vida, mas disse que o “momento é péssimo”.

“O momento é péssimo, mas isso é conjuntura. Não necessariamente vai ser sempre assim”, disse o ex-presidente. O tucano disse que não acha “necessário” o movimento de brasileiros de classe alta e média alta que, descontentes com o governo, pensam em deixar o País.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s