Temer governa com desafios de resgatar um país em crise

"É preciso resgatar a credibilidade do Brasil no concerto interno e no concerto internacional", disse o presidente em exercício

Um novo governo se instala nesta sexta-feira no Brasil, liderado por Michel Temer, que deverá adotar medidas para resgatar o país da crise e tentar sobreviver ao escândalo de corrupção que levou à saída de Dilma Rousseff.

“Temos pouco tempo”, disse Temer, do PMDB, ao assumir na quinta-feira a presidência no Palácio do Planalto.

“Mas se nos esforçamos faremos as reformas que o país precisa”, disse o ex-vice-presidente de Dilma, convertido agora em um de seus principais inimigos.

Após meses de agitação política, o Senado decidiu na manhã de quinta-feira abrir um julgamento contra Dilma e afastá-la de seu cargo por até seis meses, enquanto avalia se ela merece ser definitivamente afastada do poder por maquiar as contas públicas.

“É preciso resgatar a credibilidade do Brasil no concerto interno e no concerto internacional” com medidas que cortem os gastos públicos e atraiam investimentos, disse Temer, um astuto e discreto advogado de 75 anos, cercado pelos membros de seu novo gabinete.

Entre eles o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles, que será o novo ministro da Fazenda, e o economista José Serra, ex-governador de São Paulo, que estará à frente do Itamaraty.

Mas sua equipe já recebeu críticas e questionamentos, em particular pela ausência total de mulheres e negros.

Os mercados encaram com bons olhos Meirelles, ex-presidente do Banco Central durante a presidência de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), lembrado pela ortodoxia com a qual conseguiu controlar a inflação e sanear a economia do Brasil.

Meirelles dará nesta sexta-feira mais detalhes sobre as medidas de choque para tirar o Brasil da pior recessão dos últimos 25 anos, que puderam ser vislumbrados no plano conhecido como “Uma ponte para o futuro” de Temer.

Não será nada fácil. Temer pode enfrentar uma feroz oposição da esquerda e muitos dos problemas que atingiram Dilma, especialmente uma economia destruída (registrou uma forte contração de 3,8% do PIB em 2015), muito dependente de preços elevados do petróleo, do minério de ferro e de outras matérias primas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s