Como funciona a loja Daspre, onde só trabalham presidiárias

EXAME.com foi conhecer de perto a história e a rotina de mulheres em regime semiaberto que trabalham em uma loja de produtos artesanais. Confira!

São Paulo – No centro da cidade de São Paulo, um pequeno salão recebe diariamente doze mulheres que trabalham na confecção artesanal de bolsas, caixas, móveis e brinquedos. É neste modesto galpão, decorado com mesas e máquinas de costura, que funciona a loja e ateliê “Do lado de lá”. 

O que torna esse local diferente de qualquer outro ateliê é que, depois do expediente, todas as funcionárias retornam para as suas respectivas celas na prisão.

Vinculado à Secretaria da Administração Penitenciária de São Paulo, o bazar “Do lado de Lá” faz parte do projeto Daspre, que é gerido pela Fundação Professor Dr. Manoel Pedro Pimentel (FUNAP), instituição focada em programas de ressocialização de presidiários. Em 6 anos de operação, mais de 10,5 mil detentas já passaram pelo ateliê. 

Só podem trabalhar no “Daspre-Do lado de lá” presidiárias em regime semiaberto. No Brasil, existem hoje 89 mil pessoas cumprindo esse tipo de pena – no entanto, apenas 20% delas estão inseridas no mercado de trabalho. 

“O principal objetivo do projeto é socializar pessoas que não tiveram oportunidades na vida e acabaram praticando um crime que as levou ao cárcere”, diz Lúcia Casalli, diretora da FUNAP. “Estamos dando a eles, o que antes não lhes foi dado”.

(Valéria Bretas/Exame.com)

Todos os dias, essas mulheres saem de sua unidade prisional pela manhã e utilizam o transporte público para chegar à sede da Fundação.

Mariza de Jesus, 65, trabalhava como enfermeira e atuou no tráfico de drogas durante 30 anos antes de ser presa. “Eu nunca tinha utilizado transporte público. Tudo o que eu precisava fazer, eu fazia de carro”, relata. “Quando me deparei com a minha atual situação eu tive que desapegar das besteiras e aprender a me virar. Eu tive que crescer”. 

Em troca pelo dia de trabalho recebem uma remuneração equivalente a três quartos do salário mínimo, vale transporte, dinheiro para almoçar fora do ateliê, além do benefício da remição da pena, previsto pela lei brasileira de execução penal: cada três dias de trabalho rendem um dia a menos da condenação.

Muitas das mulheres que chegam ao Daspre nunca tinham colocado as mãos em uma agulha. As instruções sobre o trabalho são passadas por duas artesãs contratadas exclusivamente para ensiná-las. 

“É uma delícia trabalhar aqui. Dá uma super paz que ajuda a esquecer um pouco da nossa realidade”, diz Elaine Cristina dos Santos, 35, presa por tráfico de drogas.

(Valéria Bretas/Exame.com)

Quando chega a hora de voltar para “casa”, elas precisam atentar-se ao horário. Vigiadas 24h pelo sistema de monitoração eletrônica (um pequeno aparelho que envolve o tornozelo), as artesãs não podem mudar o caminho da rota e, muito menos, se atrasar.

“Quem não cumpre as regras perde o benefício de trabalhar na Daspre pode nunca mais voltar para o regime semiaberto”, descreve Daiane Maximiano da Silva, 26, presa por extorsão mediante sequestro.

Além do trabalho, Daiane utiliza a outra parte de seu tempo livre para estudar. Com autorização da Justiça, ela conseguiu aval para frequentar um cursinho pré-vestibular aos sábados.

“Quem passa por aqui aprende a ter disciplina e é incentivado a não voltar a praticar crimes. Você aprende a dar valor para as coisas”, diz.

No fim da tarde, enquanto a reportagem de EXAME.com acompanhava os afazeres das artesãs, uma delas obteve seu alvará de soltura – o que, imediatamente, a colocou em liberdade. 

O momento de comoção fez as colegas abraçarem Blaldiomara Medeiros, que logo tirou o seu avental e, sob  lágrimas de boa sorte, seguiu seu rumo.

(Valéria Bretas/Exame.com)

A loja “Do Lado de Lá” fica na rua Dr. Vila Nova, 268, Vila Buarque, em São Paulo. 

Esta reportagem faz parte da série Bastidores do Brasil

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s