Voz do PMDB não pode ser abafada por “carguinhos”, diz Cunha

Eduardo Cunha não escapou de vaias e do tradicional grito “fora Cunha” no congresso de seu próprio partido, o PMDB

Brasília – O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (RJ), não escapou das vaias e do tradicional grito “fora Cunha”, nem mesmo no congresso de seu próprio partido nesta terça-feira, apesar de ter sido o único dos peemedebistas de alto escalão a defender, mesmo que em tom moderado, a saída do PMDB do governo, algo defendido pela maior parte dos militantes presentes.

“O PMDB não vai poder se furtar de debater seu destino. Ninguém tem duvida que o PMDB vai ter candidato próprio, é inevitável. Vai ter discussão se o PMDB vai ter que deixar o governo ou se continua atrelado ao projeto que está aí e do qual não participamos”, disse Cunha, em discurso durante o congresso da Fundação Ulysses Guimarães, do PMDB.

“A voz do PMDB não pode ser abafada por meia dúzia de carguinhos daqueles que não tem compromisso com partido”, afirmou.

Defensor do desembarque do maior partido da base do governo da petista Dilma Rousseff, o presidente da Câmara foi o único a reconhecer que o congresso não tomaria a decisão “esperada por muitos”.

“Minha posição é a mesma, não mudou nada, mas hoje não é foro apropriado para isso, não vai se decidir nada”, afirmou, acrescentando que havia defendido que o congresso fosse transformado em uma convenção para que se pudesse decidir pelo rompimento.

“Infelizmente não tive sucesso. Aqueles que gostariam de sair do governo gostariam que fosse uma convenção para poder decidir, aqueles que não querem sair do governo preferiram ficar do jeito que está. Isso é da política”, disse Cunha, que rompeu com o governo em julho, depois de ser acusado por um delator da operação Lava Jato de receber 5 milhões de dólares em propina no esquema de corrupção envolvendo a Petrobras.

Cunha chegou ao congresso junto com o vice-presidente Michel Temer, de quem o ficou próximo quase todo o tempo, o que não o livrou das vaias no momento em que seu nome foi anunciado.

O deputado chegou a cogitar não ir ao Congresso.

Logo na chegada, ao ser perguntado se esperava apoio do partido –Cunha corre o risco de ser cassado pelo Conselho de Ética da Câmara– respondeu: “Não vim pedir apoio, não preciso disso. Vim participar de um evento partidário, sou do PMDB.” Ao final, Cunha negou ter ouvido vaias. “Não ouvi vaias. Ouvi um pessoal pedindo pelo impeachment”, disse.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s