Alunos ofendidos na apresentação de TCC vão receber R$75 mil

Entrega do trabalho de conclusão de curso virou caso de Justiça após professor ofender e acusar alunos de plágio

São Paulo – Momento tradicionalmente de tensão na vida estudantil, a apresentação do trabalho de conclusão de curso (TCC) de três alunos do curso de engenharia em uma universidade do estado de São Paulo virou caso de Justiça.

Tudo começou com a checagem de uma referência bibliográfica feita por um professor da banca examinadora. Ao notar que não havia a referência na bibliografia do trabalho, o acadêmico, que também é coordenador do curso, ficou  exaltado, acusou os estudantes de plágio, ofendeu-os com palavrão e deu nota zero.

Os alunos decidiram então pedir reparação por danos morais na Justiça e a sentença a favor deles foi publicada pelo Conjur. O professor e a faculdade foram condenados a pagar 25 mil reais para cada um dos três.

Segundo a sentença, os estudantes contaram que o professor teria dito, além do palavrão e da acusação de plágio de plágio: “você está preocupado com o fim de semana deles? Eu estou preocupado é comigo que deveria estar na praia e estou aqui”.

Outro ponto destacado pelos alunos foi o fato de que a nota final do trabalho havia ficado condicionada à revisão do trabalho, que deveria ser feita com base nas observações feitas pela banca examinadora. No entanto, o coordenador não fez nenhuma observação e mesmo com as mudanças no trabalho manteve a nota zero. Por isso, alegavam dano moral e pediam indenização de 30 mil reais para cada um, revisão da nota e a retratação do professor.

A universidade e o professor argumentaram que não houve dano moral e que uma posição mais enérgica, de reprimenda dos estudantes, “nem de longe deveria ser considerada ilícita ou contrária ao ordenamento jurídico”. O professor disse ainda que o clima ficou pesado como é normal em toda discussão.

Mas na decisão, o juiz da 45ª Vara Cível de São Paulo disse que não é esse o linguajar que se espera de um professor universitário e que ele não deveria ter perdido a calma como perdeu. Segundo o juiz, em sua decisão, o professor teve mesmo a intenção de atacar os estudantes. “O caso é surreal e o dolo de lesionar é intenso, tal qual se infere da imputação – gratuita e errada – de plágio”, escreveu o juiz.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s