Quando usar K, W ou Y segundo o Novo Acordo Ortográfico

Professor Diogo Arrais fala sobre o uso (em casos especiais) das letras K, W e Y previsto no Novo Acordo Ortográfico

Durante estas últimas semanas de dezembro e as primeiras de janeiro, aqui trataremos dos principais aspectos sobre o Novo Acordo Ortográfico (que, aliás, por ter desacordos, merece o título de Reforma Ortográfica).

No Decreto 6583/08, há o seguinte:

“Parágrafo único. A implementação do Acordo obedecerá ao período de transição de 1o de janeiro de 2009 a 31 de dezembro de 2015, durante o qual coexistirão a norma ortográfica atualmente em vigor e a nova norma estabelecida. (Redação dada pelo Decreto nº 7.875, de 2012)”. A vigência obrigatória foi, posteriormente, adiada para 1º de janeiro de 2016.

Neste momento do ano, é muito importante que jornalistas, concursandos, operadores do Direito, educadores, escritores estejam mais atualizados ainda em relação às novas regras ortográficas; que compreendamos os motivos das alterações.

Um dos aspectos positivos está no nosso alfabeto, com vinte e seis letras. Não se poderia mais conceber a nossa Língua sem a oficial inclusão de K, W, Y.

Está assim lá na base do Novo Acordo:

As letras k, w e y usam-se nos seguintes casos especiais:

a) Em antropônimos (nome próprio de pessoa) originários de outras línguas e seus derivados: Franklin, frankliniano; Kant, kantismo; Darwin, darwinismo; Wagner, wagneriano; Byron, byroniano; Taylor, taylorista;

b) Em topônimos (nome próprio de lugar) originários de outras línguas e seus derivados: Kwanza, Kuwait, kuwaitiano; Malawi, malawiano;

c) Em siglas, símbolos e mesmo em palavras adotadas como unidades de medida de curso internacional: TWA, KLM; K-potássio (de kalium), W-oeste (West); kg-quilograma, km-quilómetro, kW-kilowatt, yd-jarda (yard); Watt.

Apesar disso, não se pode pensar em K no lugar de QUE, em palavra como DISQUE. É sempre muito comum placa com “disk-pizza”, “disk-serviço”. Discar, disque: nada de K.

Igualmente comum é a grafia CARATÊ com uso de K. Ops! Em nossa Língua Portuguesa, o esporte Caratê deve ser grafado apenas com C.

Lembremo-nos sempre de que o uso de K, W, Y está condicionado aos casos acima, da base do Novo Acordo, e o uso perante a língua-padrão não é aleatório.

Por fim, ressalto que a reforma é apenas gráfica e não altera pronúncia de nenhum vocábulo.

Um abraço, até a próxima e siga-me pelo Twitter!

Diogo Arrais
@diogoarrais
Professor de Língua Portuguesa – Damásio Educacional
Autor Gramatical pela Editora Saraiva

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s