Reparar vira alternativa para poupar dinheiro com novos itens

Saiba como economizar e quais produtos merecem ser consertados.

A facilidade de crédito dos últimos anos deixou o brasileiro mal-acostumado. A televisão quebrou? Compra-se uma nova, obviamente. Mas essa opção não é mais tão acessível como no passado. “Inflação elevada, juros altos, dificuldade para conseguir crédito, desemprego e pessimismo têm levado as famílias brasileiras a ajustar o seu padrão de consumo a um orçamento mais apertado”, diz Vitor França, assessor econômico da Fecomercio de São Paulo. 

De acordo com o IBGE, o comércio varejista registrou queda de 8,6% em 2015, enquanto, no setor de serviços, o recuo foi de 3,6%. No ano passado ainda, os setores de bens duráveis e vestuário apresentaram as maiores quedas nas vendas – assim como eletrodomésticos, eletrônicos e veículos. 

Geralmente, o final de ano é a época mais movimentada para ONGs que recolhem doações de móveis antigos, mas, em 2015, o número de móveis recebidos caiu. Um forte indício de que, no lugar de trocar móveis, as pessoas estão investindo na manutenção de seus bens. 

Até 2014, os brasileiros gastavam quase 6,5 bilhões de reais em consertos por ano, segundo estimativas da Fecomercio elaboradas a partir de dados do IBGE de 2014. “Essa cifra pode ter aumentado por causa da crise”, afirma Vitor. Sua percepção é comprovada pelos dados do Sebrae, que confirma um aquecimento no segmento de consertos e reparos. A entidade observou crescimento anual nos últimos anos acima de 20% para atividades de acabamento na construção civil – como aplicação de gesso, revestimento, pintura e instalação de portas e janelas, por exemplo – bem como para reparação veicular, incluindo embarcações para esporte e lazer e motocicletas. Além de várias atividades ligadas a reparação e manutenção de automóveis, com destaque para lavagem de carros, capotaria e lanternagem, normalmente relacionadas à melhoria da aparência do veículo e que podem influenciar o valor da venda do veículo usado.

No mercado de reparos há 23 anos, Carla Costa, proprietária do Hospital do Tênis, em São Paulo, sentiu aumento na demanda por seus serviços. De acordo com ela, no ano passado, nessa mesma época, a busca pelo serviço era menor. “As pessoas costumam nos procurar mais no inverno, pois os calçados usados nessa estação tendem a ser mais caros. Calçados de verão, no geral, são mais simples e descartáveis, mas vimos aumento na demanda de cerca de 20% este ano”, afirma. 

Para ela, o aumento da cotação do dólar frente ao real também influenciou a demanda. “Boa parte dos calçados que consertamos são tênis, cujo preço aumentou muito por causa do aumento do dólar. Em vez de a pessoa gastar 400 reais ou 500 reais em um tênis novo, prefere gastar entre 50 reais e 200 reais com a gente, dependendo do tipo de serviço”, diz Carla. 

Leia mais

+ Seu sucesso depende de você acompanhar o mercado

Como foram selecionados os voluntários das Olimpíadas 2016

Pense lentamente na hora de tomar decisões

E as roupas seguem a mesma toada. Segundo dados da Serviços do Futuro, que possui lojas de costura e reparo de vestuário, houve um aumento de demanda de consertos da ordem de 15%. De acordo com Guilherme Netti, da Brasil Franchising, esse aumento ficou mais evidente a partir do segundo semestre de 2015. “Isso ainda não refletiu no número de lojas, mas a tendência é que isso aconteça”, diz Guilherme.

Tudo se transforma 

A fotógrafa Julia Rodrigues, de 29 anos, de São Paulo, é adepta dos consertos e reformas. Ela ainda não consertou nenhum tênis, mas, no último ano, fez vários reparos e economizou um bom dinheiro. Com um banho de tinta amarela em spray, que custa aproximadamente 15 reais, a geladeira antiga porém funcional deixou de ser apenas um eletrodoméstico e virou item da decoração da cozinha. Para o Carnaval, ela  nem sequer pensou em comprar uma fantasia. Costurou enfeites de Natal antigos em roupas e criou adornos de cabeça para uma fantasia de sereia. Recentemente, ao mudar-se de casa, em vez de comprar um armário, que custaria por volta de 1 500 reais, gastou o dinheiro com alguns pedaços de madeira, que transformou em prateleiras, e outros pedaços de cano, onde prendeu uma cortina para substituir a porta do closet improvisado no quarto. “Um marceneiro teria cobrado 1 000 reais. Obviamente, o serviço teria ficado melhor, mas a economia compensa”, diz Julia. 

Além da economia, o trabalho manual pode trazer tranquilidade mental, como defende o doutor em filosofia política Matthew Crawford, autor do livro The Case for Working with Your Hands (Por Que Trabalhar Usando as Mãos, em tradução livre, ainda sem edição em português). Para o especialista, dedicar-se a uma tarefa mecânica é benéfico para o cérebro, que consegue se desligar por alguns momentos de outras atividades rotineiras. 

Claro que nem sempre é possível resolver um problema sozinho. Nesses casos, o importante é usar seus direitos – como a garantia. Quando o fogão deu problema, Julia acionou a assistência técnica. “As assistências dificultam a nossa vida, tive de marcar duas vezes até conseguir a visita”, diz Julia. 

Mesmo com a dificuldade, os brasileiros usam muito esse serviço – principalmente para os eletrodomésticos. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) em parceria com a Market Analysis, 77% dos entrevistados procuram a assistência para consertar eletrodomésticos. Em seguida, estão os aparelhos digitais, como câmeras e computador, com 73%, e eletrônicos, como televisão, com 56%. No caso dos celulares, o desapego é maior. Cerca de 80% dos entrevistados trocam de celular sem antes levá-lo à assistência para saber se é possível consertá-lo. É verdade que muitas cidades nem mesmo possuem assistências autorizadas, com destaque para as regiões Norte e Nordeste, segundo o Idec. Nesses casos, cabe ao consumidor exigir uma atenção maior das marcas. 

Esta matéria foi publicada originalmente na edição 213 da revista Você S/A com o título “Consertou, tá novo”

Você S/A | Edição 213 | Abril de 2016 

Assine

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s