2015 não foi bom para comércio e cenário piora, diz IBGE

No bimestre outubro-novembro, o varejo registra perda de 6,7% em relação a igual período de 2014

Rio – O ano de 2015 não foi bom para o comércio e o cenário continua piorando, afirmou nesta quarta-feira, 13, a gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Isabella Nunes.

No bimestre outubro-novembro, o varejo registra perda de 6,7% em relação a igual período de 2014, pior do que a queda de 5,7% verificada no terceiro trimestre de 2015.

“Ainda temos de aguardar o resultado de dezembro (para fechar o trimestre). Mas 2015 não foi um ano bom para o comércio, foi piorando e continua nessa trajetória”, disse Isabella.

Nem a alta de 1,5% nas vendas em novembro ante outubro, na série com ajuste sazonal, serviu para atenuar o cenário negativo.

“O resultado na margem é importante, mas não reverte trajetória do comércio no longo prazo”, afirmou a gerente.

Além disso, o setor opera 7,0% abaixo de seu pico histórico atingido um ano antes, em novembro de 2014. A rápida descida pode ser explicada pela mudança radical na conjuntura.

“Em novembro do ano passado, a massa de renda real de salário crescia 3,0% em relação ao ano anterior. Agora, há uma queda de 12,2%. A situação é bem distante em termos de mercado de trabalho, juros e inflação”, disse Isabella.

Entre os setores, todos acentuaram o ritmo de queda no bimestre outubro-novembro, exceto os artigos farmacêuticos, que exibem alta de 0,7% no período em relação a 2014.

“A atividade farmacêutica se sustenta devido a sua natureza de comercialização de produtos essenciais”, explicou a gerente do IBGE.

Veículos

O setor de veículos registrou um tombo de 24,5% nas vendas em novembro ante novembro de 2014, apontou o IBGE. Trata-se da maior queda desde junho de 2002 (-24,6%).

Além disso, a atividade enfrenta 21 meses de retração nas vendas nesta comparação.

Por isso, alta de 1,2% nas vendas de veículos em novembro ante outubro não causa entusiasmo, afirmou Isabella Nunes.

Segundo ela, o setor acumulou queda de 11% entre os meses de agosto e outubro.

“Elevação de juros, redução na renda, tudo isso inibe o consumo desses bens, que são mais caros e consomem uma fatia maior dos rendimentos”, disse Isabella. “O cenário não mudou.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s