Aéreas esperam recuperar parte dos preços de passagens

Em janeiro, a demanda por voos no Brasil teve o sexto mês consecutivo de queda, recuando 4 por cento sobre o mesmo período de 2015

São Paulo – As companhias aéreas no Brasil esperam recuperar nos próximos meses parte da queda de 19 por cento dos preços de passagens ocorrido ao longo de 2015, diante de um cenário de oferta e demanda em baixa para este ano, afirmou o presidente da associação que representa as principais empresas do setor, Abear.

“Como a oferta e a demanda estão caindo, um cenário possível para os próximos meses é tentar recuperar em parte a queda de 2015”, afirmou o presidente da entidade, Eduardo Sanovicz, em teleconferência com jornalistas nesta terça-feira.

Em janeiro, a demanda por voos no Brasil teve o sexto mês consecutivo de queda, recuando 4 por cento sobre o mesmo período de 2015. A oferta teve retração de 2,38 por cento, segundo a Abear.

A Gol, única empresa da Abear com ações em bolsa no Brasil, divulgou mais cedo que reduziu oferta em 1,7 por cento no mercado doméstico em janeiro enquanto a demanda caiu 3,6 por cento.

Segundo o presidente da Abear, o desempenho do setor em janeiro foi um “sinal muito sério, uma vez que janeiro é tradicionalmente de recuperação e este ano foi pior que janeiro do ano passado”, afirmou.

Apesar disso, ele comentou que o setor já começou o ano com perspectiva bastante conservadora para 2016 e não fará mudanças em projeções anunciadas anteriormente.

A expectativa da Abear para este ano é que a oferta das companhias aéreas caia 7 por cento e a demanda recue próximo desse nível “ou ainda pior”, disse Sanovicz.

Diante do cenário de deterioração do mercado, o setor espera conseguir na quarta-feira um acordo salarial em audiência de conciliação na Justiça com sindicatos de trabalhadores após uma paralisação ocorrida em vários aeroportos do país em 3 de fevereiro.

As companhias aéreas fizeram proposta de reajuste de 11 por cento nos salários de aeroviários e aeronautas, abandonando proposta anterior de reajuste zero para as categorias. A proposta, contudo, foi rejeitada em assembleias por prever parcelamento do reajuste.

“Vamos tentar fazer um acordo (…) A expectativa amanhã é que o ministro Ives Gandra formule uma proposta”, disse Sanovicz referindo-se ao vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Ives Gandra Martins Filho, que medeia as discussões no setor.

Texto atualizado às 11h09.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s