Incertezas sobre emergentes são destaque em comitê do FMI

No âmbito latino-americano, as dúvidas se concentram sobre o Brasil, que encadeará duas recessões consecutivas em 2015 e 2016 (-3% e -1%, respectivamente)

Lima – O longo atraso na confirmação da reforma do sistema de governo do FMI e as dúvidas sobre os riscos financeiros na economia global foram os principais temas de debate na conclusão do Comitê Monetário e Financeiro (IFMC, sigla em inglês) da instituição nesta sexta-feira.

“Espero que as autoridades dos Estados Unidos saibam reconhecer a necessidade de reformar uma instituição multilateral na qual participaram de maneira ativa desde sua criação e ao longo dos anos”, argumentou Christine Lagarde, em entrevista coletiva após a plenária do IFMC, o principal órgão executivo do FMI, em Lima.

Lagarde ressaltou que a demora “é um problema para a representatividade e credibilidade da instituição, particularmente com os países com baixa representatividaderepresentados”.

As reformas, que incluem dar maior peso dos mercados emergentes na estrutura do FMI e a dotação de financiamento adicional por parte dos países-membros, receberam um contundente apoio inicial dos EUA em novembro de 2010.

No entanto, o Congresso americano não aprovou esse apoio desde então, o que bloqueou a reforma do sistema de governo do FMI e provocou um crescente mal-estar entre os mercados emergentes.

Ao lado de Lagarde, compareceu à entrevista coletiva o governador do Banco do México, Agustín Carstens, que exerce como presidente do Comitê Financeiro e Monetário do FMI.

Carstens reconheceu que “as incertezas e a volatilidade dos mercados financeiros aumentaram, ao mesmo tempo que as previsões de crescimento de médio prazo se debilitaram”.

As economias avançadas, que o executivo mexicano disse terem experimentado uma recuperação “modesta” nos últimos anos, “ainda podem sofrer uma recaída, principalmente se a demanda global enfraquecer ainda mais e os obstáculos à oferta não forem eliminados”.

No âmbito latino-americano, as dúvidas se concentram sobre a grande economia regional, o Brasil, que encadeará duas recessões consecutivas em 2015 e 2016 (-3% e -1%, respectivamente).

Carstens reconheceu que o Brasil tinha sido um dos países cuja complexa situação tinha sido tratada, embora não exclusivamente, no encontro que contou com a participação dos 188 países-membros do organismo.

“A América Latina está preparada para absorver os confrontos externos, mas lembramos aos países que, apesar disso, não é o momento para ser complacente”, acrescentou o banqueiro mexicano, em referência à espera da alta de taxas de juros pelo Federal Reserve dos EUA e à saída de fluxos de capital da região que estão elevando a pressão sobre as divisas locais.

Devido ao retorno da Assembleia Anual à região após quase 50 anos de ausência, Lagarde afirmou ontem que a América Latina está em um “terreno muito mais sólido” que há 15 anos, e ressaltou que a instituição também tinha modificado seu enfoque para oferecer menos receitas e mais apoio.

A última reunião do FMI na América Latina havia sido realizada no Rio de Janeiro, em 1967.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s