Barragem rompida causou prejuízo de R$ 23 mi a agricultores

A barragem se rompeu em 5 de novembro do ano passado e esparramou um rio de lama e dejetos ao longo do Vale do Rio Doce

São Paulo – Os produtores rurais atingidos pelo rompimento da barragem da mineradora Samarco, em Mariana (MG), tiveram prejuízo de R$ 23,2 milhões, informou a Emater-MG, em nota, após estudo para avaliar os impactos provocados pelo acidente em Barra Longa, Mariana, Ponte Nova e Rio Doce.

A barragem se rompeu em 5 de novembro do ano passado e esparramou um rio de lama e dejetos ao longo do Vale do Rio Doce, configurando-se no mais grave desastre ambiental do País.

O levantamento feito pela Emater-MG foi realizado entre novembro de 2015 e janeiro deste ano, e vistoriou, até agora, 95% das 195 propriedades atingidas.

Segundo o presidente da Emater-MG, Amarildo Kalil, os técnicos da empresa estão visitando cada uma das propriedades.

“Nossos técnicos estão fazendo as visitas e aplicando um questionário. É um levantamento para ter uma ideia do prejuízo e que poderá subsidiar o Estado no caso de um plano de recuperação econômica destas propriedades”, explica.

A maior parte do prejuízo foi em áreas utilizadas para pastagem, campineiras, plantações de cana-de-açúcar, grãos e horticultura.

O valor estimado é de R$ 15,6 milhões em 1.270 hectares de terras atingidas.

Em seguida, estão as perdas com 216 construções (R$ 5,2 milhões), 161 quilômetros de cercas (R$ 977 mil), 293 máquinas e equipamentos (R$ 760 mil) e 1.596 animais perdidos (R$ 651 mil), principalmente aves.

O levantamento também apurou que 34 produtores possuem financiamento de crédito rural, que somam o valor de R$ 3,3 milhões.

Kalil destaca que a porcentagem das áreas atingidas nas propriedades foi de, em média, 12,9%.

“Tivemos 164 propriedades com menos de 50% da área atingida. Em muitos desses casos, será possível retomar a atividade agropecuária. Já em outras 31 propriedades, a lama destruiu mais de 50% da área. Nestes locais será mais difícil voltar a desenvolver as atividades anteriores”, explica.

Ele também acredita que as pessoas das áreas que tiveram a maior parte da propriedade atingida poderão ser indenizadas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s