China precisa deixar homens dividirem esposa, diz professor

China tem excesso de homens solteiros, o que afeta até sua economia; para professor local, solução é estimular poligamia

São Paulo – A China tem um excesso de homens solteiros que deve chegar a 30 milhões de indivíduos já em 2020.

A solução? Deixar que as mulheres tenham mais de um marido, diz Xie Zuoshi, professor da Universidade Zhejiang de Economia e Finanças:

“É uma realidade que temos muito mais homens do que mulheres. Problemas sociais sérios, como estupros e ataques, vão acontecer se os homens não encontrarem esposas. Mas não tem que ser assim se eles tiverem opções”, disse ele em um post no seu blog, de acordo com a mídia chinesa.

Entre estas opções, o professor Zuoshi – que tem 50 anos e é casado – cita a legalização do casamento gay, a entrada de mulheres de outros países e a poligamia.

A maioria dos chineses nas redes sociais reagiu com rejeição, apesar do país ter um histórico antigo da prática, especialmente em áreas rurais – mas geralmente com um homem acumulando várias esposas.

Zuoshi diz que “não está brincando” e que “qualquer pessoa razoável que aplique o pensamento crítico vai chegar à mesma conclusão. Não podemos privar os homens de esposas só para sermos morais”.

Cenário

A China tem uma preferência cultural histórica pelo sexo masculino que virou uma realidade númerica na medida que a população passou a ter acesso a exames de ultrassom e procedimentos abortivos. 

Isso foi agravado com a política do filho único, estabelecida no final dos anos 70 para conter o excesso de população e que só agora deve ser flexibilizada pelo governo chinês.

O chamado “boom demográfico” do país já passou. A partir de agora, serão menos chineses em idade produtiva e mais aposentados colocando pressão sobre os gastos sociais. 

Estudo

Em 2010, o professor Shang-Jin Wei, da Universidade de Columbia, analisou a taxa de poupança dos vários tipos de famílias em diferentes regiões da China e encontrou uma relação forte com o desequilíbrio de gênero.

“Casas com filhos guardavam mais do que casas com filhas, na média, e casas com filhos tendiam a aumentar sua poupança quando moravam em uma região com desigualdade númerica de homens e mulheres mais acentuada”, diz ele.

A conclusão: a tendência chinesa de poupar muito, que tanto afetou a economia global, não tem a ver somente com o sistema ruim de pensões ou com uma rede de proteção social deficiente.

Ela também reflete a necessidade de acumular riqueza para ganhar vantagem em um mercado muito competitivo de homens solteiros.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s