Como o sucesso do Pokémon Go ajudou a Noruega

O aplicativo, que deve ser lançado no Brasil em breve, virou uma febre e fez as ações da Nintendo dispararem, um processo que começa a ser corrigido

São Paulo – A febre do Pokémon Go teve um beneficiário improvável: a Noruega, de acordo com o jornal The Local.

O fundo soberano norueguês, criado para aplicar o dinheiro do petróleo, investe na Nintendo desde 1998 e tem 0,73% de participação na empresa, segundo o último balanço divulgado no final de 2015.

Esse acabou se mostrando um ótimo investimento desde que as ações da Nintendo começaram a disparar com o sucesso do Pokemon Go, aplicativo que deixa o usuário capturar com a câmera do smartphone pokemóns espalhados por cenários reais. 

Disponível nos Estados Unidos desde o último dia 06, o aplicativo está sendo introduzido nos outros mercados e deve chegar no Brasil no próximo domingo, dia 31, segundo o site MMO Server Status.

O sucesso foi tão estrondoso que as ações da Nintendo chegaram a dobrar de valor no espaço de uma semana; em dado momento, ela valia mais até do que a Sony.

A própria empresa tratou de conter o hype. Na sexta-feira após o fechamento do mercado, divulgou um comunicado lembrando que o jogo é uma parceria com a desenvolvedora americana Niantic e com a Pokemon Company, onde sua participação é de 32%.

Por isso, o impacto efetivo do jogo nos livros da Nintendo será limitado. Quando perceberam isso, os investidores puniram a empresa com a maior queda nas ações em mais de 25 anos.

Hoje elas já reagiram um pouco, e de qualquer forma, a empresa segue valendo muito mais do que antes do lançamento, já garantindo ao fundo noruguês uma boa parcela de ganhos.

Histórico

O fundo soberano da Noruega foi criado em 1995 para garantir que o dinheiro dos impostos e concessões do setor de petróleo não entrasse automaticamente na economia real, o que causaria o risco de superaquecimento.

O cofrinho é maior do que o próprio PIB e transformou todos os noruegeses em virtuais “milionários” na moeda local (o kroner), mas o governo não não pode retirar mais do que 4% do fundo por ano para financiar seu orçamento.

Os gestores do fundo se comprometem com uma taxa de retorno anual de 4%. Para isso, investem em ações e títulos nos mercados – estima-se que o fundo detenha 1,25% do valor de mercado de todas as companhias do mundo.

O problema é que a queda do preço do petróleo desde meados do ano passado está punindo as finanças e o crescimento de todos os países produtores.

Øystein Olsen, presidente do Banco Central da Noruega, disse em fevereiro que o “inverno havia chegado” para o país:

“A queda dos preços de petróleo vai reduzir a riqueza nacional. O fundo pode estar próximo do seu pico. Retornos futuros também são incertos. Contra este cenário, aumentar o gasto não é um caminho viável a ser tomado”.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s